Uma livraria desassossegada

A intemporalidade espacial de um homem, uma obra, um "livro".


978x.jpg

Thereses 14, 0168 Oslo, NORUEGA

Esta é a morada de uma livraria desassossegada, onde só se vende, lê e respira "O Livro do Desassossego". Aquela que é (na minha opinião) a obra mais incrível da Literatura portuguesa, conquistou o norueguês Christian Kjelstrup que decidiu abrir uma livraria dedicada ao desassossego de Bernardo Soares, a magnânima obra de Fernando Pessoa.

Os fragmentos biográficos de Bernardo Soares, ajudante de guarda livros na cidade de Lisboa, desenvolvem-se numa "autobiografia sem factos". Um "livro" composto por centenas de pequenos textos dos quais apenas 12 foram publicados pelo autor. Depois da sua morte, diferentes especialistas em Pessoa aventuraram-se na interpretação e organização dos pedaços literários, resultando em diferentes edições e muitas discussões.

Eu tenho apenas uma edição, que carrego comigo todos os dias, não presto atenção à ordem das palavras, abro sempre ao acaso. Leio, fecho os olhos, e tento perceber quem lê, porque afinal também eu sou diferente a cada dia.

fernandopessoa_almadanegrei.jpg

"Sou os arredores de uma vila que não há, o comentário prolixo a um livro que se não escreveu. Não sou ninguém, ninguém. Não sei sentir, não sei pensar, não sei querer. Sou uma figura de romance por escrever, passando aérea, e desfeita sem ter sido, entre os sonhos de quem me não soube completar.

Penso sempre, sinto sempre; mas o meu pensamento não contém raciocínios, a minha emoção não contém emoções. Estou caindo, depois do alçapão lá em cima, por todo o espaço infinito, numa queda sem direcção, infinitupla e vazia. Minha alma é um maelstrom negro, vasta vertigem à roda de vácuo, movimento de um oceano infinito em torno de um buraco em nada, e nas águas que são mais giro que águas bóiam todas as imagens do que vi e ouvi no mundo - vão casas, caras, livros, caixotes, rastros de música e sílabas de vozes, num rodopio sinistro e sem fundo.

«...» Poder saber pensar! Poder saber sentir!"

Bernardo Soares, O Livro do Desassossego


version 1/s/// //ana bernardo