renzo mora

Cultura Pop, Pretensão e Água Benta

Renzo Mora

Renzo Mora é escritor e roteirista. Publicou os livros "Cinema Falado"; "Sinatra - O Homem e a Música"; "Fica Frio - Uma Breve História do Cool" e "Frank, Dean & Sammy: 3 Homens e Nenhum Segredo"

James Bond Contra Fidel Castro

Como o pai do mais famoso espião do mundo foi consultado para derrubar a ditadura cubana


Em 1960, John Kennedy recebeu em sua casa em Georgetown um grupo de amigos para homenagear um convidado de honra: Nada menos que seu escritor favorito. Tratava- se de Ian Fleming, autor do último livro que o presidente leria antes de morrer assassinado e criador de James Bond – o agente 007.

flemingconnery.jpg

Ian Fleming com Sean Connery - o ator que ele não queria que interpretasse sua personagem. Ele preferia Cary Grant.

Embora corra a lenda de que as aventuras de James Bond tenham sido inspiradas nas experiências do autor na Segunda Grande Guerra, o fato é que, ao contrário do espião de suas novelas, ele passou a maior parte do conflito atrás de sua escrivaninha. Fleming detinha uma posição de alta segurança no Departamento de Inteligência Naval Britânico, mas seu trabalho era basicamente a coleta de informações e o exame dos planos de guerra.

Importante? Sim. Charmoso? Nem tanto.

ianfleming.jpg

Fleming empunha a pistola de 007

Promovido a comandante, deu o mesmo posto para seu personagem – além de um pouco mais (OK. Beeemmm mais) de ação em suas aventuras. Segundo o jornalista Seymour Hersh, Fleming – perguntado pelo Presidente em pessoa – disse que “usaria o ridículo para expulsar Castro do governo. Já que os cubanos só se importavam com dinheiro, religião e sexo, disse Fleming, notas falsas de dólar deveriam ser jogadas na ilha para desestabilizar a moeda, assim como panfletos declarando que Castro era impotente. Naquela época, Fleming soubesse ou não, os articuladores das operações secretas da CIA estavam seriamente considerando uma série de operações igualmente infantilóides, incluindo o uso de um pó depilador que faria cair a barba de Castro”. Segundo o mesmo autor, Allen Dulles, então diretor da CIA, telefonou no dia seguinte ao jantar para o autor, já que ele teria algumas ideias interessantes de como lidar com Castro – mas o escritor já tinha partido para Londres. Difamar o desempenho do pênis do folclórico (e nem por isso menos perigoso) ditador e inundar Cuba com dólares falsos são, ao que consta, as duas únicas operações envolvendo James Bond na tentativa de derrubar Castro. Mas o fato de Fleming ter sido consultado sobre o assunto pelo Comandante em Chefe dos Estados Unidos em pessoa diz um pouco sobre como Cuba era um assunto importante para John Kennedy. Na equação envolvendo dinheiro, religião e sexo proposta por Fleming faltava Deus. Segundo Charles Highan, em seu livro “O Aviador”, a biografia do lunático Howard Hughes, o recluso milionário estava cuidando dessa parte.

hughes.jpg

Howard Hughes - Aviador nas horas vagas, louco em período integral

Envolvido pessoalmente no assunto da derrubada de Castro desde 1964, Hughes ofereceu técnicas de laser desenvolvidas em sua empresa, a Hughes Aircraft. Conforme Highan “nas pranchetas havia absurdos como um submarino que emergiria no porto de Havana e faria um show de laser e sons acompanhado por uma voz em espanhol declarando, para minar Castro, que Cristo viria pela segunda vez ali”.

Como é sabido, nem Cristo nem James Bond agiram conforme planejado e Castro sobreviveu como a mais caricatural das relíquias da Guerra Fria.

fidel_castro.jpg


Renzo Mora

Renzo Mora é escritor e roteirista. Publicou os livros "Cinema Falado"; "Sinatra - O Homem e a Música"; "Fica Frio - Uma Breve História do Cool" e "Frank, Dean & Sammy: 3 Homens e Nenhum Segredo".
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/// @destaque, @obvious //Renzo Mora