renzo mora

Cultura Pop, Pretensão e Água Benta

Renzo Mora

Renzo Mora é escritor e roteirista. Publicou os livros "Cinema Falado"; "Sinatra - O Homem e a Música"; "Fica Frio - Uma Breve História do Cool" e "Frank, Dean & Sammy: 3 Homens e Nenhum Segredo"

A Quase Entrega de Chet Baker

Chet Baker nos entrega não o todo, mas o quase. No caso dele, isso foi mais que suficiente.


400px-Chet675.jpg

Sinatra era um passional elevado à enésima potência. Suas paixões – mulheres, brigas e Jack Daniels (nesta ordem) – marcaram sua biografia e transbordaram para sua obra, um canto cheio de nostalgia, amor rejeitado, solidão e raiva. Chet Baker, pelo que se lê em suas biografias – principalmente a épica “no Fundo de um Sonho” , de James Gavin - era um apaixonado por duas coisas: drogas e ele mesmo. O personagem que surge destes relatos parece nunca ter amado nenhuma mulher como amou a heroína ou a si próprio. Todas as pessoas que passaram por sua vida foram instrumentalizadas para servir a ele mesmo – principalmente quando a devoção às drogas ocupou todo o espaço afetivo disponível. Nem a música parecia ser tão importante – ela era mais uma prostituta que perambulava pela noite à caça de alguns trocados para sustentar o vício de seu cafetão - prova disto é que Baker quase sempre perdia/largava/penhorava seu instrumento. O repertório de Sinatra e Baker coincide em inúmeras baladas – “You Go To My Head” (e é impossível ouvir Baker, o junkie quintessencial, cantando “You intoxicate my soul with your eyes” /”Você embriagou minha alma com seus olhos” sem um arrepio);

I Get Along Without You Very Well; I’m a Fool To Want You (esta, tão associada ao caso de Sinatra com Ava Gardner que os autores decidiram fazer dele co-autor) – e por aí vai.

Mas Baker, tão infinitamente enclausurado em si próprio, cercado pela muralha de drogas que ele construiu, parece incapaz de alcançar o desespero de Sinatra – ou de Billie Holiday (que Sinatra diz ter sido uma de suas grandes professoras de canto). Baker acaricia as melodias – como seu mestre Fred Astaire e seu gigantesco seguidor, João Gilberto - mas sem se entregar aos sentimentos que elas expressam. Por isso talvez sua maior e mais sincera interpretação seja a de Almost Blue, escrita por Elvis Costello em 1982.

“Almost blue Almost doing things we used to do There's a girl here and she's almost you Almost” “Quase triste Quase fazendo as coisas que costumavámos fazer Há uma garota e ela é quase você Quase” Quase triste parece ser o máximo de sentimento que Baker podia sinceramente exprimir em relação a outro ser humano. A canção se tornou frequente nos últimos shows de sua vida, antes da queda (ou suicídio) da janela de um hotel chamado Prins Hendrik em Amsterdam, na noite de 13 de maio de 1988. Isto não é nem uma reclamação nem uma crítica – simplesmente uma constatação. O trabalho de Baker, ainda que irregular, é magnífico em seus pontos altos. O quase de Baker é maior que a totalidade entregue por outros artistas. O quase de Baker foi suficiente para torná-lo imortal e obrigatório.


Renzo Mora

Renzo Mora é escritor e roteirista. Publicou os livros "Cinema Falado"; "Sinatra - O Homem e a Música"; "Fica Frio - Uma Breve História do Cool" e "Frank, Dean & Sammy: 3 Homens e Nenhum Segredo".
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/// @destaque, @obvious //Renzo Mora