renzo mora

Cultura Pop, Pretensão e Água Benta

Renzo Mora

Renzo Mora é escritor e roteirista. Publicou os livros "Cinema Falado"; "Sinatra - O Homem e a Música"; "Fica Frio - Uma Breve História do Cool" e "Frank, Dean & Sammy: 3 Homens e Nenhum Segredo"

Barry Manilow, Jazz e a Fome dos Etíopes

Por que 2:00 AM Paradise Cafe nunca recebeu o respeito que merecia?


220px-Barryparadise.jpg

Em Outubro de 1990, o grande Bill Zehme escreveu um perfil de Barry Manilow para a Rolling Stone. Ele dizia “Quando Barry Manilow conta uma piada de Barry Manilow, geralmente é esta: Um empresário musical diz para a embaixada da Etiópia que um grupo de artistas fará um single com renda dedicada para as pessoas que passam fome no país; “Imagine só” diz o empresário “''Michael Jackson, Bruce Springsteen, Billy Joel, Barry Manilow''. Os etíopes o interrompem: “Barry Manilow?” eles dizem “Ei, a gente não está com tanta fome assim”. Manilow tem plena consciência de que seu nome é uma piada junto aos críticos. Isso não o impediu de buscar respeitabilidade – a única coisa que faltava em uma carreira milionária, repleta de concertos lotados, discos de ouro e Grammys. Em 1984 ele deu seu passo mais ousado: um álbum de jazz reunindo Mel Tormé e Sarah Vaughan nos vocais, Bill Mays no piano, Gerry Mulligan no sax barítono, Mundell Lowe na guitarra, George Duvivier no baixo e Shelly Manne na bateria. – time de primeiríssima - e o cantor e compositor deveria ser aplaudido só por reunir este grupo em um mesmo estúdio. 2:00 AM Paradise Cafe, o resultado do encontro, é uma pequena joia que nunca recebeu a admiração que merecia.

O público de Manilow, que o conheceu ouvindo Mandy e Copacabana, não estava preparado para a sofisticação do álbum. Os críticos de jazz viram no disco apenas o exercício de vaidade de uma estrela pop, que estava submetendo as estrelas do jazz aos seus caprichos. Quase 30 anos depois de seu lançamento, está na hora de deixar o preconceito de lado e aceitar que Paradise é uma excelente coleção de canções, digna do homem que Frank Sinatra uma vez disse que era “a próxima grande coisa”. Blue, o dueto de Manilow com Sarah Vaughan é uma preciosidade.

Mais tarde, cantoras como Nancy Wilson – provavelmente a voz mais sexy que o jazz já aproximou de um microfone – e Diane Schuur gravaram álbuns de jazz contendo apenas canções de Manilow – respectivamente “With My Lover Beside Me

e “Midnight”.

Grandes artistas, Vaughan, Wilson e Schuur estavam mais preocupadas com a qualidade das canções do que com a falta de reconhecimento que Manilow recebia dos críticos.

O caminho até o coração destas grandes intérpretes foi pavimentado por um disco quase invisível na discografia de Manilow: 2:00 AM Paradise Cafe


Renzo Mora

Renzo Mora é escritor e roteirista. Publicou os livros "Cinema Falado"; "Sinatra - O Homem e a Música"; "Fica Frio - Uma Breve História do Cool" e "Frank, Dean & Sammy: 3 Homens e Nenhum Segredo".
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/// @destaque, @obvious //Renzo Mora