renzo mora

Cultura Pop, Pretensão e Água Benta

Renzo Mora

Renzo Mora é escritor e roteirista. Publicou os livros "Cinema Falado"; "Sinatra - O Homem e a Música"; "Fica Frio - Uma Breve História do Cool" e "Frank, Dean & Sammy: 3 Homens e Nenhum Segredo"

Sammy Davis Jr. Encontra Laurindo Almeida

Um álbum que você com certeza nunca ouviu. Mas há tempo para corrigir isto.


Sammy Laurindo.jpg

Quando se fala de um violonista brasileiro ao lado de um músico americano, a primeira referência – é claro – é a extraordinária parceria entre João Gilberto e o saxofonista Stan Getz, o álbum Getz/Gilberto – que ainda contava com o apoio luxuoso de um pianista chamado Antonio Carlos Jobim – gravado em 1964.

Se pensarmos em um grande vocalista americano com um violonista brasileiro, o álbum tem que ser Francis Albert Sinatra & Antonio Carlos Jobim, de 1967 (vale lembrar que Jobim queria tocar piano nestas sessões – mas alguém decidiu que violão era mais latino).

Mas, entre o primeiro e o segundo exemplos, existe uma obra pouco conhecida, reunindo outro membro do Rat Pack com um violonista brasileiro ligado ao movimento da bossa nova.

Trata-se de Sammy Davis, Jr. Sings and Laurindo Almeida Plays, único encontro entre (obviamente) o cantor Sammy Davis Jr e o grande virtuoso Laurindo Almeida, de 1966. Só. Não há nenhum outro músico nestas faixas – e nem é necessário.

Sammy-Davis-Jr.-9268223-1-402.jpg

laurindo.jpg

Mas é forçar a barra tratar o álbum de bossa novista.

Em primeiro lugar, Laurindo não toca o violão gago inventado por João Gilberto – que é a marca maior da bossa nova.

Depois, não há no repertório nenhuma canção brasileira.

Os dois exploram standards do grande cancioneiro americano – Cole Porter, Oscar Hammerstein II, Jerome Kern, Johnny Burke e Jimmy Van Heusen.

A pequena repercussão do álbum, um item limitado a colecionadores e conhecedores, faz com esqueçamos que mesmo antes de Sinatra havia um astro disposto a ouvir e dividir os créditos com um brasileiro.

Sammy Davis, Jr. Sings and Laurindo Almeida Plays é uma grande obra, que transcende gêneros e que merecia um público maior.

Sammy parece entender exatamente que um álbum deste tipo pede contenção, cantar quase sussurrando, algo próximo de Chet Baker, Fred Astaire e – claro – de um rapaz chamado João Gilberto.

Na bossa nova (e sua nobre vizinhança, onde mora este trabalho), menos é mais – e Sammy descobriu isto antes de seu parceiro Frank Sinatra.


Renzo Mora

Renzo Mora é escritor e roteirista. Publicou os livros "Cinema Falado"; "Sinatra - O Homem e a Música"; "Fica Frio - Uma Breve História do Cool" e "Frank, Dean & Sammy: 3 Homens e Nenhum Segredo".
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/musica// //Renzo Mora