renzo mora

Cultura Pop, Pretensão e Água Benta

Renzo Mora

Renzo Mora é escritor e roteirista. Publicou os livros "Cinema Falado"; "Sinatra - O Homem e a Música"; "Fica Frio - Uma Breve História do Cool" e "Frank, Dean & Sammy: 3 Homens e Nenhum Segredo"

Arte Primitiva, Canibalismo e... Michael Rockefeller??

A paixão pela arte de tribos primitivas tem um efeito colateral: o contato com seus hábitos menos civilizados.


Rock.jpg A família Rockefeller fez sua fortuna com bancos e indústrias e tem interesses em gigantes como a Standard Oil Company, o JP Morgan Chase e o Rockfeller Military. O sobrenome inspira admiração, medo, reverência e respeito em todo o mundo. Quer dizer, em quase todo o mundo. Michael Rockefeller, filho do então governador de Nova York, Nelson, decidiu ir para um dos poucos lugares onde sua fama e fortuna não queriam dizer nada: Asmat, na costa sul da Nova Guiné. Michael, colecionador de arte primitiva, foi ao encontro de um dos povos mais atrasados do planeta. Os habitantes de Asmat são, como descreveu o The Washington Post “os últimos puros caçadores-coletores na Terra, sem culturas de cultivo de alimentos além do sagu que eles misturam com pedaços de qualquer peixe ou carne que possam matar” Michael desapareceu por lá em 1961. Segundo a versão oficial, afogou-se ao tentar nadar depois de seu bote ter virado. O escritor Carl Hoffman acredita ter encontrado a verdade – bem mais sinistra. Em seu livro ‘Savage Harvest: A Tale of Cannibals, Colonialism, and Michael Rockefeller’s Tragic Quest for Primitive Art ’ele afirma que Michael Rockefeller foi assassinado e teve seu corpo devorado pelo povo Asmat. “Existe uma variedade de razões básicas que explicam porque uma sociedade praticaria o canibalismo” escreveram Daniel Diehl e Mark P. Donnelly em seu fascinante livro “Devorando o Vizinho” “Pode ser parte de uma cerimônia que honra os mortos; pode ser uma celebração pós-batalha, na qual a bravura de um inimigo é absorvida pelo vencedor; pode ser um meio de infligir um último insulto a um inimigo derrotado; pode ser um meio desesperado de defender-se da fome extrema ou de superar uma carência grave de proteínas na dieta básica. É claro que existem sociedades em que se consomem pessoas porque o sabor é apreciado” concluem os autores. O trabalho de Dielh e Donnelly aborda desde rituais comunitários até os casos de psicopatas isolados, como Ed Gein (que tem a duvidosa honra de ter inspirado o personagem Norman Bates, de Psicose), Jeffrey Dahmer e Issei Sagawa. Issei.jpg A história de Sagawa é especialmente ultrajante, combinando perversão e dinheiro: membro de uma família rica do Japão, ele assassinou e devorou sua colega de Sorbonne, uma linda holandesa chamada Renée Hartevelt. renee_hartevelt_003.jpg Foi considerado pela justiça francesa um psicótico incurável. Com a pressão do dinheiro da família, Issei foi deportado para o Japão e finalmente libertado do hospital psiquiátrico de Tóquio onde ficou abrigado ao retornar para sua pátria. O detalhe mais repugnante é o fato dele ter se tornado uma celebridade em seu país, inspirando a canção “Too Much Blood” dos Rolling Stones e virando crítico (gastronômico!!!) da revista de alta cultura japonesa Spa. O caso de Rockefeller, segundo as pesquisas de Hoffman, foi o seguinte: Michael desembarcou e foi quase imediatamente morto e comido por um grupo de homens da aldeia de Otsjanep, que manteve seus ossos, sua crânio, cueca e seus óculos. A causa permanece obscura, mas pode estar relacionada com o assassinato cometido muitos anos antes de cinco membros de Otsjanep por uma patrulha colonial holandesa. “Equilíbrio é de suma importância na cosmologia Asmat, diz a teoria, e eles precisavam de um crânio de um homem branco para acertar as coisas” explicou Tim Sohn em sua resenha da obra de Hoffman para a revista eletrônica Slate. A paixão de Michael Rockfeller pela arte primitiva é celebrada permanentemente no primeiro andar do Museu Metropolitan de Nova York. Ironicamente, as peças da coleção Michael C. Rockefeller, expostas na ala Michael C. Rockefeller da instituição, foram feitas pelo povo Asmat de Papua Nova Guiné e são, segundo o site do Metropolitan, partes fundamentais de seus ritos funerários e da cultura de vingança. Que incluem, como Michael descobriu da pior forma, o péssimo hábito de devorar a carne dos inimigos. asmat.jpg


Renzo Mora

Renzo Mora é escritor e roteirista. Publicou os livros "Cinema Falado"; "Sinatra - O Homem e a Música"; "Fica Frio - Uma Breve História do Cool" e "Frank, Dean & Sammy: 3 Homens e Nenhum Segredo".
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @destaque, @obvious //Renzo Mora