reticente

Peculiaridades silenciosas

Bruno Mattera

Em busca de verdades que com o tempo perdem toda a razão.

Solidão presente

Talvez Hopper nunca imaginaria que alguns anos após a sua morte, seus quadros estariam tão contextualizados dentro da nossa sociedade.


Thumbnail image for hopper.railroad.jpgEdward Hopper nasceu no Estado de Nova Iorque em 1882 e veio a falecer em 1967. Pintor que conseguiu como poucos expressar uma solidão na contemporaneidade, suas obras exalam melancolia. Independente do cenário, urbano ou rural, a subjetividade humana é retratada de uma forma que ficamos absortos diante dos seus quadros. edward-hopper-excursion-into-philosophy[1].jpg A solidão nunca esteve tão presente entre nós como agora. Nossas relações interpessoais cada vez mais são escassas, supérfluas e passageiras. Somos cada vez mais pessoas isoladas. Quantos de nós agora não estamos sozinhos, em frente a um computador? Office_in_a_small_city_hopper_1953.jpgSuas obras retratam um vazio. Um sem nada ao redor. Uma vida estagnada e sem motivação alguma. Pessoas anônimas que jamais se comunicam entre si. Mundos isolados. A afeição cada vez mais rara. hopper.nighthawks.jpgO silêncio é perceptível. Um distanciamento suave e reservado. As pessoas apenas compõem o ambiente. Adornos de um cenário melancólico. hopper-sunday.jpgO convite ao isolamento e a reflexão é claro. Existe apenas uma luz, talvez dizendo que ainda há esperança. 10_Sun-in-an-Empty-Room.jpg


Bruno Mattera

Em busca de verdades que com o tempo perdem toda a razão..
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 1/s/// @destaque, @obvious //Bruno Mattera