réu confesso

Filmes, livros e discos que fizeram a minha cabeça

Rafael Monteiro

Sou o que soa. Eu não douro pílula

Doze Homens e Uma Sentença: a persuasão, a lucidez e a certeza da dúvida

A obra maior de Sidney Lumet envelheceu tão bem que se expandiu para o teatro, onde se estabilizou décadas depois. Mas ainda é o filme de 1957 que surge em mente quando contamos a história de um homem desconfiado que mudou a opinião de todo um júri com todas as suas dúvidas


doze-homens-e-uma-sentenca1.jpg

Doze Homens e uma Sentença deve ser o filme mais difícil de ser explicado dessa lista. Faltam brechas no enredo: toda a história se passa dentro de uma sala de júri, onde doze fumantes não identificados tentam decidir a pena de um suspeito de assassinato. A graça da obra é acompanhar o moço da foto (Henry Fonda) convencer os outros da inconsistência das provas. E não há mais nada a dizer sobre a trama.

Toda essa história me lembra aquelas dinâmicas de grupo de escola. Por não ter matéria para passar, muitas das minhas professoras mandavam a gente discutir, em grupos, um caso impossível. No final, elas, que claramente estavam tão confusas quanto nós, esclareciam que não há certo e errado porque o preconceito é ruim e julgar os outros leva a alma para o inferno.

Eu sempre odiei todos os tipos de dinâmica, ainda mais as polêmicas. Não levo jeito para advogado. Por mais que goste de opinar em tudo, tenho preguiça de tentar convencer os outros. Nunca consigo. Acho que a incompetência me fez aceitar a pluralidade.

Imagem-22-600x329.jpg

O grande encanto da história é exatamente o poder de convencimento do protagonista. O caso já está decidido antes mesmo de ser analisado só pela versão absurda do suspeito. Ainda assim, ele quer investigar as provas e saber se o homem é mesmo o assassino.

A forma como ele investiga as provas é realmente envolvente, impressiona. Ao analisar os fatos do crime, a cena do possível assassinato ganha forma na mente do telespectador. E o filme está na lista justamente por isso.

12_homens_e_uma_setena.jpg

Doze Homens e uma Sentença conseguiu me transportar para outro ambiente sem mostrar nenhuma imagem além daquela sala de reunião. Ao mesmo tempo que assistia, eu também imaginava. Foram praticamente dois filmes assistidos ao mesmo tempo, um de Sidney Lumet e outro meu.

12 HOMENS E UMA SENTENÇA.2.jpg

Pode parecer pouco para ser marcante – e realmente é. Só que se não fosse tão simples, o filme não seria tão interessante. Bastaram doze homens, uma mesa, vários cigarros e um caso: foi feito um clássico. Mas se você duvida, eu é que não vou tentar te convencer do contrário.


Rafael Monteiro

Sou o que soa. Eu não douro pílula .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/// @destaque, @obvious //Rafael Monteiro