revesgüette

música, cinema e vírgulas

Guilherme Fernandes

go ahead, make my day!

Musselwhite & Harper: em nome do blues

Uma pérola recente do blues, "Get Up!" é a união de duas gerações em busca de uma musicalidade simples, longe dos holofotes. Uma ode à boa música proporcionada por Harper e Musselwhite


Nunca fui um profundo conhecedor da obra de Ben Harper, confesso. Nada contra o compositor de Diamonds On The Inside, hit máximo de alguns milhares de casais apaixonados. Também, nada a favor. Talvez o meu maior problema com Harper é que tenha sido ele o "homem de bom coração" que apresentou o chatíssimo Jack Johnson para o mundo. Opiniões são opiniões. Um dia, quem sabe, falo um pouco sobre minha repulsa pelo “folker surfista” de Jack Johnson. Hoje não.

ben-harper-charlie-musselwhite.jpg

Voltando à Harper, que fez um ótimo dueto com a cantora brasileira Vanessa da Mata, e uma linda versão de Sexual Healing, do mestre Marvin Gaye, confesso que nunca me interessei muito por ele. Entretanto, mesmo com esse meu desinteresse, seria uma heresia negar que o rapaz possui uma voz ótima, e algumas boas composições. Do pouco que ouvi, quase tudo me agradou, embora não tenha me agradado o suficiente para correr atrás de sua obra completa.

Já Charlie Musselwhite é um velho conhecido de meus ouvidos. Sua gaita feroz e seu blues elegante embalaram diversas madrugadas e alguns trajetos RJ/SP nestes últimos anos de reaproximação com o blues. Discos como os estupendos Rough News, Ace of Harps e Takin' My Time são atemporais. Seu álbum Harmonica According to Charlie Musselwhite é praticamente uma “áudio-aula” de gaita, unanime em todas as listas de discos de gaitistas de blues.

Ben-Harper-and-Charlie-Musselwhite (1).jpg

Os dois se conheceram em 1997, por intermédio de ninguém menos que John Lee Hooker. Desde lá, ao que parece, alimentavam a vontade de fazer um disco juntos. O que ninguém esperava – incluso este que vos escreve – é que o tal "disco juntos" fosse "Get Up!” (Stax Records), uma das coisas mais belas que se tem notícia nos últimos anos.

A faixa-título do trabalho é um petardo com levada hendrixiana e a perfeita união entre os dois, embalados por uma insana linha do baixista Jesse Ingalls. Aliás, é de saltar os olhos o excelente diálogo entre os instrumentos, fazendo realmente um trabalho conjunto, sem protagonistas ou coadjuvantes. Tudo aqui é feito de uma forma bem old school, com timbres sujos e melodias básicas costuradas pela ótima voz de Harper e pela gaita envenenada de Musselwhite.

Charlie Musselwhite empresta sua atemporalidade às ótimas composições de Ben Harper e entregam aos ouvintes uma fusão insólita, em um primeiro momento. Pouco a pouco, com o passar dos temas, parece que a dupla Harper & Musselwhite é uma instituição antiga, onde tocam juntos há anos, com um entrosamento descomunal.

Faixas energéticas como a alegre We Can't End This Way e a zeppeliana I Don't Believe A Word You Say caminham tranquilamente pelas lindas All That Matters Now e You Found Another Lover (I Lost Another Friend), talvez a peça mais linda do conjunto. I Ride At Dawn resgata a melancolia e a dor do blues, seguida por Blood Side Out, mais um petardo de qualidade indiscutível.

"Get Up!" é a união de duas gerações em busca de uma musicalidade simples, longe dos holofotes, coadunando os recursos infindáveis de um gaitista que, apesar de sua idade, está longe de pendurar as chuteiras, e um guitarrista que, além de um ótimo registro vocal, impressiona por uma sensibilidade até então desconhecida para muitos. É um disco que aquece corações durante sua audição. Uma pérola recente do blues. Uma ode à boa música.

Recomendado!


Guilherme Fernandes

go ahead, make my day!.
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/musica// @destaque, @obvious //Guilherme Fernandes