revesgüette

música, cinema e vírgulas

Guilherme Fernandes

go ahead, make my day!

Bryan Singer, X-Men e o controle do navio

"X-Men: Dias de um Futuro Esquecido" consegue entregar o que se propõe: prazer estético, um final digno aos antigos personagens e um prosseguimento natural para o novo núcleo de mutantes. A viagem no tempo deu certo.


06-01-2014 - X-Men_Dias de um Futuro Esquecido 001.jpg

X-Men é a franquia de super-heróis mais bagunçada dos cinemas. Os filmes dos X-Men misturam política, ficção científica e, como pano de fundo, questões éticas em cima dos poderes dos mutantes.

Depois de um primeiro filme primoroso, em 2000, Bryan Singer conseguiu melhorar a história e abrir o leque de possibilidades com o segundo ato da série, "X2", em 2003. A partir daí, uma sequência de erros seguiram e os estúdios, de olho nas cifras cada vez maiores, começaram a interferir no andamento da franquia, o que gerou o fatídico e derradeiro "X-Men - Confronto Final", em 2006.

Repleto de incoerências no roteiro e decisões infundadas – a morte do Ciclope, personagem de James Marsden, foi decidida em uma reunião de executivos – o terceiro filme da franquia mostrou um possível término de uma saga que já faturava milhões de dólares e poderia continuar de todas as formas possíveis. Como saída, foi decidido que a série continuaria com os filmes de Origens, o que culminou no horroroso "X-Men Origens: Wolverine", de 2009.

06-01-2014 - X-Men_Dias de um Futuro Esquecido 003.jpg

Com Singer de volta ao navio – ele havia abandonado em 2006, para dirigir o novo filme do Superman –, o caminho foi reescrito com "X-Men: Primeira Classe", 2011, onde o elenco antigo, até então única opção para os produtores, foi completamente substituído por atores mais jovens, e fez do reboot, até então, o melhor filme da franquia dos mutantes.

No intervalo de três anos, ainda teve tempo de ser rodado mais um filme do Wolverine – dessa vez, bem melhor que seu antecessor – e, agora, com Bryan Singer de volta no controle total do leme – em "X-Men: Primeira Classe", ele foi apenas o produtor, com a direção ficando a cargo de Matthew Vaughn – eis que a franquia lança "X-Men: Dias de um Futuro Esquecido", adaptando uma das histórias mais cultuadas pelos fãs da HQ dos filhos do átomo.

No entanto, se o fã das HQs acha que este filme é um tributo verossímil à história, pode se preparar para a frustração. O filme em nada lembra os quadrinhos, a não ser pela premissa básica de viagem no tempo. E, não fosse à direção de Singer, possivelmente as coisas sairiam de controle novamente.

O filme mostra os mutantes sobreviventes em um futuro distópico, onde as Sentinelas adquiriram poderes de mutação e adaptação, podendo assim destruir os mutantes utilizando seus próprios poderes. Tudo isso por causa do assassinado de um industrialista de armas, Bolivar Trask (Peter Dinklage). Com isso, os mutantes sobreviventes decidem mandar Wolverine (Hugh Jackman) de volta aos anos 70 para impedir o crime, e mudar o rumo da história.

06-01-2014 - X-Men_Dias de um Futuro Esquecido 002.jpg

Singer, dessa forma, consegue unificar os dois elencos – numa clara intenção de "limpar" os antigos atores, com exceção, claro, de Wolverine – e ainda seguir a frente da história iniciada em 2011. Além de dar um final digno para os antigos integrantes da franquia, consegue desenvolver de forma interessante a relação do Professor Xavier (James McAvoy) e Magneto (Michael Fassbender). Jennifer Lawrence, como Mística, antes inserida na trama como uma coadjuvante de luxo, depois de ganhar um Oscar, conseguiu mais destaque. Mesmo assim, em suas cenas, não brilha.

Sem pressa, Singer insere apenas um mutante novo dentro do espectro já conhecido dos cinemas. Mercúrio (Evan Peters), rouba a cena e conduz uma das melhores sequências do longa. Independente que, para os detratores de plantão – sim, eles sempre existem –, a cena seja uma mera reprodução da cena do mutante Noturno (Alan Cumming), em "X2".

"X-Men: Dias de um Futuro Esquecido" consegue entregar o que se propõe: prazer estético – Singer conduz as cenas de ação como poucos –, um final digno aos antigos personagens e um prosseguimento natural para o novo núcleo de mutantes. Por mais que tenha sido necessário sacrificar uma das histórias mais legais dos mutantes para sanar as cagadas passadas, a viagem no tempo deu certo. Muito certo.

Ponto para Bryan Singer.

Pronto para os X-Men.

Filme: "X-Men: Dias de um Futuro Esquecido"

Título Original: X-Men: Days of Future Past

2014, EUA , 131', Aventura

Direção: Bryan Singer

Roteiro: Simon Kinberg, Jane Goldman e Matthew Vaughn

Elenco: Hugh Jackman, Patrick Stewart, Ian McKellen, James McAvoy, Jennifer Lawrence, Michael Fassbender, Nicholas Hoult, Anna Paquin, Ellen Page, Shawn Ashmore, Halle Berry, Peter Dinklage, Omar Sy, Evan Peters, Josh Helman, Daniel Cudmore, Fan Bingbing, Adan Canto, Booboo Stewart, Lucas Till, Evan Jonigkeit


Guilherme Fernandes

go ahead, make my day!.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Guilherme Fernandes