ruínas

Vestígios da Imagem e da Escrita

Joachin Azevedo

Não há comunidade viva sem uma fenomenologia da apresentação em que cada indivíduo afronta - atrai ou repele, deseja ou devora, olha ou evita - o outro.

A Era Sartre

Em que momento histórico surgiu a figura do filósofo francês Jean-Paul Sartre como um dos intelectuais mais magnéticos de sua era? Desde o casamento nada convencional com a teórica feminista Simone de Beauvoir até a famosa escaramuça com o escritor argelino Albert Camus e o seu apoio declarado aos regimes cubanos e soviéticos, em um mundo submetido a uma tensão bipolar entre capitalismo e bolchevismo, Sartre é um pensador enigmático e muitas das suas ideias continuam sendo debatidas no século XXI.


camus-e-sartre-3.jpgJean-Paul Sartre (1905-1980)

No começo da década de 40, em face da II Guerra Mundial e quando o polêmico André Gide - fundador da Editora Gallimard, da revista Nouvelle Revue Française e Nobel da Literatura em 1947 - já não era uma figura tão presente nos debates públicos – tanto por estar indeciso em relação as suas escolhas políticas, bem como por ser rejeitado pelas novas vanguardas – Sartre conseguiu magnetizar os anseios políticos e culturais dos seus contemporâneos.

Tendo recebido o Prêmio Nobel de Literatura já no final da vida, em 1947, Gide é procurado então pelo jovem Sartre e os dois estabelecem uma relação cordial, com aparições conjuntas até em documentários. Após a morte de Gide, Sartre se preocupa em defender a memória do companheiro de letras dos ataques feitos pela Imprensa francesa. Ao se posicionar dessa forma ética e chamar a atenção para o legado de Gide: que foi a lição de que a adesão incondicional a um ideal é algo perigoso, Sartre ocupa um lugar de destaque na intelligentsia francesa nos quadros da Libertação do país da ocupação nazista.

A pessoa de Sartre era enigmática. Era reconhecido pela sua simplicidade e por distribuir gentilezas, o que contrastava com a predominante arrogância ostentada pela maioria dos homens de letras da França. Fumante inveterado, Sartre parece que além de feio, era desprovido de beleza. Porém, de miúdo e vesgo, logo se transformava em um sedutor orador quando falava com desenvoltura sobre literatura, teatro e filosofia. Enfim, na excelente frase de Michael Winock, em O século dos intelectuais, o filósofo “queria ser Vitor Hugo; tornou-se Jean-Paul Sartre” (p. 513). Até os desfechos da II Guerra, Sartre ostentava uma postura política apática e individualista, porém já marcada por um temperamento anarquista no qual a moral e a hipocrisia burguesa são sempre denunciadas em seus textos.

sartre_gide_cabris1950.jpgSartre e André Gide

Ao entrar no Partido Comunista, juntamente com intelectuais importantes como Merleau-Ponty, sua companheira Simone de Beauvoir e Raymond Aron e fundar a revista Tempos modernos, Sartre irá publicar desde sua obra prima de filosofia existencialista chamada O ser e o nada até distribuir panfletos nas portas de fábricas. A noção de engajamento e responsabilidade intelectual é a todo momento evocada pelo escritor, pois para Sartre toda arte é utilitária. Mesmo os defensores da noção aristocrática da arte pela arte, sem orientações sociais e políticas, também estão engajados com um determinado ponto de vista. Assim, Sartre também constrói uma auto imagem polêmica diante do padrões morais de seu tempo, quando desfila em clubes de jazz ao lado de Simone e de vários amigos que são sustentados por eles. Enfim, Sartre passa a ser o guru de um existencialismo não apenas filosófico, mas também social. Toda uma geração de jovens universitários pelo ocidente irá querer fumar, se vestir, falar, beber à parisiense e se engajar como Sartre.

untitled.pngEdição francesa de O ser e o nada

Um dos capítulos da história dos intelectuais mais célebres do século 20 é a amizade, que acabou em diatribe, entre Albert Camus e Sartre. Camus conheceu Sartre em um momento brilhante de sua carreira de escritor, pois já estava colhendo os frutos do reconhecimento pelos romances O Estrangeiro, traduzido para mais de 40 idiomas e adaptado para o cinema em 1967 e pelo belo ensaio Mito de Sísifo. Em O estrangeiro, temos uma narrativa preenchida por um realismo absurdo e grotesco, na Argélia ocupada pela França, no qual o personagem Meursault comparece ao funeral da mãe, mas não demonstra emoções. Em seguida, em meio a um delírio psicótico, mata um árabe a tiros. Meursault é preso e, em meio ao seu julgamento, o fato mais decisivo para sua condenação é o fato de não ter chorado no enterro da mãe, mas do que ter cometido um homicídio. Esse romance de Camus abre uma discussão sobre a irrelevância da existência humana diante da imensidão do universo.

Em o Mito de Sísifo, Camus recorre ao mito grego no qual Sísifo é obrigado há todos os dias carregar uma enorme pedra até o cume de uma montanha para no final, vê-la despencar e, assim, ter de recomeçar seu trabalho. Camus remete ao trabalho executado pelos operários nas fábricas modernas e a literatura russa para explanar sobre o absurdo da existência humana. Será que a única forma de se atingir a plenitude seria o suicídio? Embora houvesse leitores que chegaram a essa conclusão ao ler o ensaio de Camus, minha opinião é que o texto de Camus é repleto de esperança na humanidade na medida em que a firmeza humana com a qual Sísifo executa todos os dias seu trabalho interminável o torna mais forte que a pedra que tem de carregar. A plenitude não estaria na morte, mas na revolta. Revoltar-se é também um trabalho de Sísifo, algo interminável e que tem produzido grandes manifestações redentoras.

sartre-et-camus.jpgSartre e Albert Camus

Sartre também tinha produzido a obra-prima da filosofia existencialista nominada O ser e o nada. Trata-se de um volumoso e denso livro no qual Sartre questiona o principal dogma cristão de que o homem é imagem e semelhança de Deus. Se nada éramos antes de nascer, quando morremos voltamos a ser nada. Para Sartre, somente diante da angústia e do desespero, é que a existência pode atingir sua plenitude. Daí o filósofo recorrer a sua erudição para demonstrar como uma série de grandes estudos e obras artísticas só foram produzidos por seus autores em condições psicológicas e materiais precárias. Por ter elaborado um verdadeiro elogio da misantropia, o livro de Sartre foi apelidado de “a bíblia dos suicidas”.

Vale destacar o comportamento simples de Camus. De fato, o escritor, apesar de ter um estilo literário denso, gostava de conversas irreverentes e licenciosas. Os amigos de Camus se referiam a fisionomia do escritor como a de um caminhoneiro refinado, pois o mesmo também detestava grosserias. Assim, o escritor de origem proletária Camus, rejeitado pela academia por ser tuberculoso e o filósofo pequeno-burguês Sartre, aclamado por toda uma geração de acadêmicos, parecem ser completar a partir das suas diferenças. O problema é que Camus desenvolveu uma corrente que embasou os ideais da esquerda liberal e democrática e Sartre aderiu com todas as suas energias ao Partido Comunista, que era de matriz stalinista. Nessa época, somente os russos da União Soviética foram capazes de causar a primeira derrota significativa do exército alemão na cidade de Stalingrado. Diante do bilateralismo dos Estados Unidos e da impotência francesa, a Rússia emergia como a grande referência militar na Europa que estava enfrentando os nazis.

A partir de então, Sartre considerará que as teses sobre a revolta do homem embasam apenas o egoísmo pequeno-burguês e Camus irá questionar o filósofo na medida em que refutou a ideia de que somente a revolta política e engajada é válida. A revolta existencial também se fazia necessária, para Camus. O escritor argelino morreu em um trágico acidente de carro, anos mais tarde, sem ter reatado a amizade com Sartre.

shoot_beauvoir-sartre-thumb-600x3842.jpgSartre e Simone de Beauvoir

Sobre o enlace entre Sartre e Simone de Beauvoir, apesar da escritora ter uma vida acadêmica intensa possuía uma postura bastante indiferente em relação ao engajamento político. O fato é que Simone transitava em meio aos jovens intelectuais da Sorbonne e acabou se apaixonando por Sartre. O romance entre Sartre e Simone é marcado por uma amizade radiante e por uma distinção entre o amor cúmplice e suas necessidades contingentes. Dito da forma mais clara possível: Sartre e Simone possuíam uma relação aberta, mas não sem conflitos ou angústias.

Nutrida por uma ânsia de ser autêntica, Simone passa a estudar por horas a fio e a teorizar sobre suas escolhas emancipatórias, enquanto mulher. Quando publica a obra O segundo sexo, causa escândalo mesmo entre intelectuais de vanguarda, como Camus, por exemplo, que considerou o livro uma afronta para o status do macho francês. Simone tanto explora as relações históricas que culminaram com a exclusão da mulher da esfera pública pelo conservadorismo da sociedade burguesa, bem como fala abertamente sobre os desejos, fetiches e intimidades femininas de forma crua. Mas Simone, que era mais marxista do que feminista, não abominava os homens. Pelo contrário. É tanto que em uma carta a seu amante Nelson Algren, acaba confessando que adoraria se comportar como uma mulher tradicional ao seu lado, do tipo que compra bolos e faz a faxina da casa. Na verdade, se Simone escolheu não ser “nem um animal de luxo ou um animal de carga”, quem poderá condená-la por ser humana, demasiadamente humana?

O Segundo Sexo.jpgO segundo sexo, de Simone de Beauvoir

A revista Tempos modernos, em 1950, reconhece o horror perpetrado pelos campos de concentração soviéticos, mas ainda luta contra o anticomunismo. Assim, Sartre vivencia uma grande crise pessoal ao ser um sujeito que despreza o individualismo burguês, mas que cresceu em meio a uma família que cultivava esse valor e tenta conciliar sua face de militante com a de filósofo. Por suas origens abastadas, Sartre é duramente criticado por Raymond Aron quando este pronunciou que a fé do filósofo em uma ideal humanitário irrealizável o conduziu ao ódio e ao desprezo pelos homens vivos e concretos. Ainda rompido com Camus, só em 1960, após a morte deste, é que Sartre busca reconciliar-se com a memória do escritor argelino. Em face da divulgação dos crimes de Stalin, Sartre acaba preferindo torna-se acrítico a anticomunista.

A imprensa da época divulgou o quanto o enterro de Sartre, em 1980, foi comovente. O principal adversário do filósofo, Raymond Aron, irá se referir de forma elogiosa a Sartre quando o considera um moralista que acabou se perdendo na selva da política. Aron morreu pouco tempo depois, em 1983, de ataque cardíaco. Então, Aron e Sartre, que protagonizaram duelos ásperos, são, na verdade, duas faces de uma mesma moeda: a do intelectual que personaliza uma época.

Nesse mesmo contexto turbulento, a figura polêmica de Foucault emerge. Transitando entre a França e a Califórnia, onde milita no movimento gay, o filósofo francês encarna uma postura antifascista e antistalinista e, como, definiu em uma entrevista publicada recentemente em português, nos Ditos e escritos, a função de um intelectual não é dizer aos outros o que é certo ou errado para suas vidas, mas organizar disciplinas para a partir das leituras e debates, as próprias pessoas fazerem suas escolhas políticas. É o fim do intelectual engajado e o nascimento do intelectual transdiscursivo e do educador anônimo. Bem, mas essa já é outra história.

foucault-sartre.jpgSartre e Foucault em meio aos protestos do maio de 68


Joachin Azevedo

Não há comunidade viva sem uma fenomenologia da apresentação em que cada indivíduo afronta - atrai ou repele, deseja ou devora, olha ou evita - o outro..
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/artes e ideias// @destaque, @obvious //Joachin Azevedo