Fellipe Torres

Jornalista, repórter de literatura, mata um leão por dia na tentativa do ultra-humano.
[email protected]

O homem que fotografou Lampião

Benjamin Abrahão fugiu da Síria para o Brasil em 1915, durante a Primeira Guerra Mundial. Aqui, foi secretário particular de Padre Cícero e conseguiu a façanha de fotografar Lampião, Maria Bonita e outros cangaceiros.


11111111111.jpg

O historiador recifense Frederico Pernambucano de Mello dedicou-se a vida inteira a estudar o cangaço brasileiro. E foi pesquisando esse tema que ele chegou até Benjamin Abrahão Botto (1901-1938), um sírio-libanês que veio para o Brasil em 1915, fugindo da convocação obrigatória durante a Primeira Guerra Mundial. Por muito tempo, o estrangeiro trabalhou como vendedor, até se tornar secretário particular de Padre Cícero.

23.jpg Embora fosse o tipo de pessoa de caráter duvidoso, gozava da confiança do religioso, e era responsável por administrar as doações feitas pelos fiéis. Era muito bem pago e se vestia de maneira sempre impecável. Quando Padre Cícero morreu, ele chegou a arrancar mechas de cabelo do defunto para vender como amuleto para os romeiros. Mas depois de seis meses à frente desse lucrativo comércio, as pessoas perceberam que o padre não tinha tanto cabelo assim... e então Benjamin fugiu de novo.

Foto_060[1].jpg

Histórias como essa estão detalhadas no livro biográfico escrito por Pernambucano de Mello, "Benjamin Abrahão: entre anjos e cangaceiros" (Editora escrituras). De tão incrível, a história desse personagem parece ficção. Enquanto ainda morava em Juazeiro do Norte, o sírio foi responsável por ciceronear Lampião em uma breve passagem pela cidade.

Por causa desse episódio, oito anos depois, quando Padre Cícero morreu, Benjamin apostou no cangaceiro como seu próximo ganha-pão. Ele sabia que naquela época Lampião não somente era uma celebridade brasileira, como havia se tornado figura de renome internacional depois que o jornal New York Times passou a acompanhar seus passos.

Assim, depois de planejar bastante, o sírio-libanês procurou uma empresa alemã para pegar emprestada uma câmera filmadora de 35 milímetros. Com equipamentos na bagagem, partiu sertão adentro em busca do grupo de Lampião. Demorou vários meses até encontrá-los, mas quando enfim teve a oportunidade, fez cerca de 90 fotografias dos cangaceiros, muitas delas espontâneas.

bando-de-virginio1.jpg

FV-000044 Benjamin Abraão, fotógrafo libanês, Maria Bonita e Lampião, 1934.JPG

images (5).jpg

zzzzzzzzzzz.jpg

xxxxxxx.jpg

O material coletado por Benjamin Abrahão fez sucesso gigantesco e foi incansavelmente reproduzido em jornais da época. Mas a vida do sírio não iria durar muito. O seu fim chegou junto com o de Lampião. Quando foi decretado o Estado Novo em 1936, os coronéis das cidades sertanejas deixaram de apoiar Lampião, que acabou sendo morto em 1938. Dois meses depois, Benjamin foi igualmente assassinado.

MADAME.jpg

ABAAAA.jpg

ccccccccccc.jpg


Fellipe Torres

Jornalista, repórter de literatura, mata um leão por dia na tentativa do ultra-humano. [email protected]
Saiba como escrever na obvious.
version 5/s/fotografia// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Fellipe Torres