Fellipe Torres

Jornalista, repórter de literatura, mata um leão por dia na tentativa do ultra-humano.
[email protected]

Girlhood: lições sobre ser menina

Um dos trunfos do filme Boyhood é nos mostrar como garotas são desencorajadas a se colocarem em primeiro plano. Um garoto pode sonhar, mas uma menina... não muito.


960x540.jpg

Autores: Sharon Marcus e Anne Skomorowsky, da Universidade de Columbia. Leia o artigo original, no Wall Street Journal (em inglês).

A cerimônia do Oscar está chegando, e o filme Boyhood, dirigido por Richard Linklater, é considerado um dos favoritos da crítica especializada, forte candidato para arrebatar vários prêmios. Como o título antecipa, o longa-metragem trata, sobretudo, do crescimento de um garoto, mas Boyhood é também sobre "girlhood", o desenvolvimento feminino. O protagonista Mason tem uma irmã, Samantha, que cresce ao lado dele durante os doze anos de gravação.

Na primeira parte do filme, enquanto Mason sonha, Samantha compete com ele. Ela domina, provoca e supera o irmão mais novo. Quando Samantha aparece pela primeira vez, berra pelo irmão de cima de sua bicicleta, o chamando para o jantar. Ela zomba dele cantando Britney Spears, falando línguas ininteligíveis e lembrando que ele repetiu a primeira série.

Mesmo na adolescência, Samantha permanece com a postura explícita, desafiando o padrasto controlador a respeito da falta de sentido em usar o aspirador de pó, preocupando-se com os filhos dele, quando o homem se torna abusivo e a mãe abandona a casa.

boyhood-lorelei1.jpg

Mas na última hora do filme, Samantha começa a se apagar. Seu discurso e sua voz começam a se desintegrar: ela fala menos, mostra-se incerta com o uso de expressões como "Quer dizer..." e pontua o que diz com risadas nervosas. Na festa de graduação de Mason, ela faz um brinde somente depois de ser incentivada.

Por outro lado, na medida em que Mason fica mais velho, ele passa a falar mais alto, com voz mais grave, expressando-se com frases bem formuladas, impedido somente por tiques nervosos. O adolescente Mason é cheio de ideias e a cada ano se torna mais confiante.

O que explica essa diferença no desenvolvimento dos dois irmãos? Uma pista é dada em dois momentos cruciais do filme, em que os adultos confrontam cada um deles. Em uma, a professora de fotografia de Mason o acusa de ser preguiçoso e impiedoso. "Quem você quer ser, Mason? O que você quer fazer?". Quando Mason responde vagamente que ele quer fazer arte, a professora rebate: "O que você pode oferecer que ninguém mais pode?".

Em cena anterior, a mãe confronta Samantha com uma questão similar, também existencial, depois de ela ter falhado em buscar Mason na escola. "Você quer ser uma pessoa cooperativa, que é compassiva e ajuda as pessoas? Ou você quer ser uma pessoa egoísta e narcisista?".

A professora de Mason o pressiona para ele pensar sobre como ele pode expressar a própria individualidade; a mãe de Samantha oferece uma falsa escolha: ou ela ajuda os outros ou se torna alguém malquista. Pedem ao garoto para se levar a sério, enquanto a menina é castigada por se colocar em primeiro lugar.

Boyhood-Movie-Review-Image-5.jpg

Boyhood nos mostra os diferentes desafios que garotos e garotas enfrentam em se ater ao amor-próprio pelo qual cada um de nós passa desde a infância. A criança normal espera e exige admiração, adoração e prestação de serviços por parte dos pais. Na adolescência, esses sentimentos geralmente são direcionados para os parceiros românticos e conquistas pessoais. No filme, vemos Mason se tornar independente e brincalhão ao passar por várias fases, mas Samantha parece se perder no meio do caminho.

A mãe de Samantha mostra a dedicação aos outros e o sacrifício pessoal como a mais profunda fonte de prazer, mas o filme também sugere que isso tudo pode ser extremamente insatisfatório. Na sua última fala no filme, enquanto Mason faz as malas para se mudar para a faculdade, a mãe lamenta: "Este é o pior dia da minha vida.... Eu não sabia que você estaria tão... feliz em partir". Ser uma "pessoa cooperativa" foi muito desapontante para a personagem da mãe.

Samantha também está insegura a respeito de si mesma. Se ela se identificar como uma modesta futura mãe, talvez nunca descubra o que é capaz de fazer. Por outro lado, se ela se esforçar para se expressar, como o irmão faz, ela talvez perca a única fonte de gratidão que a própria mãe já ofereceu a ela.

Screen-Shot-2014-07-08-at-8.44.11-AM.png

No dia da formatura de Mason no ensino médio, o pai lhe transmite duas mensagens: "Não ceda o controle de sua auto-estima" (a uma ex-namorada) e "Eu acredito em você, Mason. Acho que você é muito especial". Enquanto isso, a história de Samantha sai da trilha, cheia de palavras vagas.

Quem não gostaria da liberdade da vida adulta sem as responsabilidades? Mason provavelmente não vai alcançar essa fantasia, mas os adultos em volta dele o ajudam a articular e celebrar esse sonho.

Um dos trunfos de Boyhood é nos mostrar como garotas são desencorajadas a se colocarem em primeiro plano. Um garoto pode sonhar, como o filme sugere, mas uma menina... não muito.


Fellipe Torres

Jornalista, repórter de literatura, mata um leão por dia na tentativa do ultra-humano. [email protected]
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Fellipe Torres