Fellipe Torres

Jornalista, produtor editorial e fotógrafo. Mata um leão por dia na tentativa do ultra-humano.
[email protected]

A efemeridade da vida traduzida em contos

Livro de escritor pernambucano Nivaldo Tenório explora decadência do corpo, doenças de toda espécie, fraquezas da alma, falhas de caráter


20171010114704985767u.jpg "A arte é uma espécie de protesto contra a morte”. O aforismo de Ariano Suassuna, levado pela Moça Caetana há três anos, caberia como epígrafe do terceiro livro de contos de Nivaldo Tenório, Ninguém detém a noite (Confraria do Vento, 112 páginas, R$ 45). É a primeira publicação do garanhuense desde o aclamado Dias de febre na cabeça (2012), responsável por fazê-lo circular muito além da cidade do Agreste pernambucano. Assim como na obra anterior, as narrativas curtas circundam temas existenciais pelos quais Nivaldo demonstra obsessão, e o fim da vida é o principal deles. A reboque, vêm a decadência do corpo, doenças de toda espécie, fraquezas da alma, falhas de caráter.

Não se trata, todavia, de pessimismo gratuito. A escrita labiríntica e, ao mesmo tempo, simples, aproxima o leitor e o força a vislumbrar questões demasiadas humanas. “Penso na imprevisibilidade, no azar, no que a qualquer momento pode acontecer. Me interessa a sondagem do humano e sua fragilidade”, comenta.

Nos contos, o foco é desviado para assuntos aparentemente menores, como se as miudezas fossem ganhar corpo adiante. O leitor mais atento, contudo, notará o essencial sendo tratado em outro substrato da história. Em uma narrativa, a morte de uma tartaruga mobiliza, por muitas linhas, uma família durante passeio. A programação logo se revela cortina de fumaça para (e metáfora do) sofrimento do casal no período da ditadura militar. Tal conto foi escolhido para se tornar um romance. “Quero explorar a dimensão psicológica e passar mais tempo na companhia dos personagens”.

As relações entre pais e filhos (mote inicial pensado para o livro, depois abandonado) são muito exploradas, como no conto sobre a constatação da doença mental de um idoso e de seu clamor por uma paixão antiga. “É baseado no meu pai. Ele levou uma queda, entrou em processo de demência e passou a falar de uma namorada de quando tinha 20 anos. A gente ri disso, mas com certa urgência. Tenho medo de chegar à velhice e não ter feito o que quis. Sou procrastinador”.

Embora o livro reúna infortúnios de todos os tamanhos, eles quase nunca estão postos diante dos olhos do leitor. Os óbitos não são repentinos, mas consequência de estar vivo. Eles assombram o passado, enlutam os entes queridos, espantam quando se avizinham. E mesmo quando ninguém fenece, ainda assim o clima sombrio ronda os lugares, as pessoas, os acontecimentos. “Neste livro, trabalhei mais a linguagem, os silêncios, o não dito”, reconhece Nivaldo.

A sugestão (em oposição ao relato) está presente em contos como O banquete, em que uma doméstica analfabeta folheia cenas do apocalipse em uma edição da Bíblia ilustrada, enquanto um caseiro encontra, entre as páginas de O Conde de Monte Cristo, centenas de baratas. Traços de fé e do exercício de doutrinas religiosas, por sinal, contribuem para as ações, os medos e as convicções dos personagens. Pairam como um fantasma causador de incertezas. Projetam o demônio como responsável por pecados e crimes cometidos. Se não estão à procura do sagrado, as pessoas buscam a juventude ao se relacionarem com parceiros de menos idade, manter relações com prostitutas, exagerar nas atividades físicas.

No conto que empresta título ao livro, o protagonista encontra consolo na possibilidade de se suicidar a qualquer momento, pois não suporta o “tédio de ser militar em tempos de paz” (possível referência ao tempo em que o autor serviu às Forças Armadas, em 1989. “O Exército não passa de um clichê”, define outro personagem, antes de assistir ao enforcamento de um colega pelo YouTube.


Fellipe Torres

Jornalista, produtor editorial e fotógrafo. Mata um leão por dia na tentativa do ultra-humano. [email protected]
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// //Fellipe Torres