sem meias

É o infinito que leva, e o tom que encaminha...

Marcelo de Callis

Sem meias nos pés e sem meias palavras, sempre ultrapassando o habitual!

Garcia y la máquina, um progressivo incessante

Quem se acostumou com o rock progressivo inglês não pode perder a oportunidade de escutar esta obra de Charly Garcia (mestre do rock argentino). Encabeçando o projeto "La máquina de hacer pájaros", Garcia interpreta o rock progressivo puro, em sua maior intensidade.


lamaq_1.jpg

Após o termino de sua banda Sui Generis (para descobrir a história deste gênio, acesse o meu primeiro post), Garcia inovou, influenciado principalmente pela sonoridade da banda inglesa Genesis monta o projeto "Garcia y La Máquina de Hacer Pájaros". O álbum de 1976, introduziu o rock progressivo na argentina. Assim se nota a primeira canção "Bubulina":

Com a companhia de Nito Mestre (ex integrante do Sui generis), e na época, sua atual esposa Maria Rosa Yorio, Garcia mostra toda sua flexibilidade musical em "Como Mata El Viento Norte". Uma espetacular melodia que envolve coros, cordas acústicas e letra imprescindível:

Passando para o rock pesado, "No Puedo Verme Mas" introduz uma sonoridade transcendental , que mistura elementos clássicos e o rock em sua plena raíz:

Se gostou, busque esta obra, a experiência é única. Um álbum composto pela veia do rock progressivo misturado com a genialidade desta pessoa chamada Charly Garcia. O set list se encontra a seguir! boa aventura para você.

Bubulina - 5:39 Como mata el viento norte - 2:47 Boletos, pases y abonos - 6:31 No puedo verme más - 4:14 Rock and roll- 4:11 Por probar el vino y el agua salada (Julia) - 3:24 Ah, te vi entre las luces (Shhh!) - 11

Charly_y_la_maquina_de_hacer_pajaros_2.jpg

"Mientras nosotros morimos aquí, con los ojos cerrados no vemos más que nuestra nariz."-Cómo Mata El Viento Norte - "Garcia y La Máquina de Hacer Pájaros"


Marcelo de Callis

Sem meias nos pés e sem meias palavras, sempre ultrapassando o habitual! .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/musica// @obvious, @obvioushp //Marcelo de Callis