sem receita

Soluções espontâneas e esporádicas para o tédio da alma.

Camilo Alves Nascimento

Escritor por natureza, mesmo sem saber sobre o que escreve. Mineiro que gosta de rock, apaixonado pela beleza urbana e por todas as suas sutilezas. Insone, ex-fumante, que busca incessantemente entender a mediocridade humana, inclusive a sua. E acredita cegamente que um bom café pode salvar vidas.

Filme: Den Brysomme Mannen ("O Homem que Incomoda")

"O Homem que Incomoda" é um filme norueguês/islandês, de 2006, que aborda temas como liberdade e felicidade. Seu destaque se deve pelo simples fato de ser um filme completo, com um excelente roteiro, fotografia e direção. Seria um mundo perfeito só o que precisamos para garantir nossa felicidade? Qual o custo da felicidade? Essas perguntas cheias de clichês são transformadas em algo único nesse filme. Sem a pretensão de ser um filme político, ou filosófico, "O Homem que Incomodava" é um excelente filme, mas não é para qualquer público.


O Homem que Incomoda é um filme norueguês/islandês de 2006, do diretor Jens Lien e com roteiro de Per Schreiner.

O filme conta a história de Andreas, um homem de 40 anos de idade, que de repente chega em uma cidade completamente estranha. Ele é recebido com uma faixa de boas vindas e imediatamente descobre que tem um emprego e uma casa, mas não consegue se lembrar de nada.

filme o homem que incomoda.jpg

Com o passar do tempo tudo parece perfeito na vida de Andreas (vivido por Trond Fausa Aurvaag): a cidade, as pessoas e até o trabalho. Tudo é perfeito, até demais.

Ele consegue um bom emprego, um relacionamento e amigos. Mas sua sensação de deslocamento é reforçada ao escutar as reclamações de um bêbado no banheiro de um bar. Atento, ele começa a perceber que a comida não tem gosto, cheiro e que tudo que o cerca é regido por uma ordem cega.

As pessoas são sempre educadas, as ruas são limpas, o trabalho é sempre pouco e o salário é alto. Seu relacionamento é calmo e apático, sem problemas ou discussões.

Por conta dessas sutilezas Andreas busca entender o que acontece com essa cidade e com todos que moram nela. Completamente deslocado e insatisfeito, de viver nesse mundo perfeito, ele começa a procurar soluções para a sua angústia.

Gunnar-Den-Brysomme-Mannen.jpg

O que era para ser um paraíso acaba se tornando um prisão, não só física, mas psicológica e sensorial. Tudo que o cerca é envolvido em mistérios, segredos e pessoas agindo com uma despreocupação artificial.

O filme é extremamente belo, com um trabalho de fotografia perfeito. O mundo em que Andreas vive é sempre retratado com cores frias, em tons de cinza, que remetem à um funcionamento apático e mecânico. Isso permite ao filme criar um clima de melancolia e agonia precisos.

O tema principal do filme é a felicidade e a liberdade. No entanto, é um filme que surpreende, se tornado uma história de realismo fantástico, com momentos de horror e forte apreensão.

A grande diferença de "O Homem que Incomoda", para outros filmes com o mesmo tema, é a combinação da atuação perfeita de Trond Fausa Aurvaag com um roteiro brilhante, que sabe trabalhar com clímax e anticlímax em uma narração leve, misteriosa e bem construída, e uma fotografia madura, coerente e milimétrica.

O Homem que Incomoda.jpg

"O Homem que Incomoda" não é um filme para qualquer público. Mesmo com uma narrativa fácil, ele não é um filme comercial. Sua temática continua sendo densa, mesmo com o diretor Jens Lien realizando um excelente trabalho com um tema gasto e cheio de clichês, o transmitindo de maneira única.

O "Homem que Incomoda" é um filme completo, que incomoda, pela sua qualidade, tema e empatia que consegue provocar em quem assiste.


Camilo Alves Nascimento

Escritor por natureza, mesmo sem saber sobre o que escreve. Mineiro que gosta de rock, apaixonado pela beleza urbana e por todas as suas sutilezas. Insone, ex-fumante, que busca incessantemente entender a mediocridade humana, inclusive a sua. E acredita cegamente que um bom café pode salvar vidas..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/Cinema// @destaque, @obvious //Camilo Alves Nascimento