shine on you crazy diamond...

"Nobody knows where you are, how near or how far..."

Laís Locatelli

De alma cigana, de curiosidade espontanea...Uma leitora incansável que crê no ser humano: somos bons e maus. Isso é ser completo.

"Há sempre um mal-entendido no impossível do amor..." Freud

“O amor é um labirinto de mal entendidos onde a saída não existe”. Jacques-Alain Miller


romeu-e-julieta.jpg

Eu poderia escrever um dia todo sobre o “amor”. Poderia também escrever um ano ou dois ou 10. O fato é que o amor desde sempre é objeto de observação. Mais que isso, é objeto de interpretação. E nesse registro, tudo é pessoal. Cada um interpreta o amor de acordo com suas experiências, carências, educação, relação com os símbolos e mais uma centena ou mesmo um milhar de coisas. Eu tenho a mania de simplificar, o desejo de simplificar, e quando me perguntam sobre o amor costumo ser breve: O amor só é possível quando é impossível.

O amor reside na impossibilidade, na sublimação. Mas se você pedir sobre a minha maneira de me relacionar com o amor, eu direi: o amor é o que me faz bem. Logo, estão excluídos os relacionamentos tumultuados, as grandes expectativas e as tragicomédias.

Aliás, o amor costuma ser uma grande tragédia para quem sente, mas uma grande comédia para quem observa - ou para quem pensa, de acordo com Nietzsche. Vou mais além: o amor pode ser uma comédia para uma das partes da relação. Oscar Wilde diz: “Há sempre um quê de ridículo nas emoções da pessoa que deixamos de amar”.

Especialmente a ridícula insistência de quem não sabe perder, de quem tenta desesperadamente voltar e no final até mesmo manipular, ultrapassando a frágil linha do bom senso. Jabor, meu querido Jabor, resume a ópera: “Se ele ou ela não te quer mais, não force a barra. O outro tem o direito de não te querer. Não brigue, não ligue, não dê pití. Se a pessoa tá com dúvidas, problema dela, cabe a você esperar... ou não”. E o final, shakespeariano, que define Freud: “O instinto de amar um objeto demanda a destreza em obtê-lo, e se uma pessoa pensar que não consegue controlar o objeto e se sentir ameaçada por ele, ela age contra ele”.

shakespeare-book.jpg

De onde vem esse desespero? Esse desejo quase incontrolável de termos o poder sobre o outro? É isso que denominam “lutar por um amor”? Penso que o próprio verbo empregado já é a resposta: Lutar. Se é uma luta, é porque não é bom. Se não é bom, não é amor.

Eu diria ainda que o amor tem muito mais a ver com nós mesmos do que com o outro. Assim como a paixão que nada mais é que o nosso grande espelho...e quem sabe, por esse motivo, se dissolve no ar com tamanha efemeridade. É breve, mas intenso.

eros e psique.jpg

Parece bastante lógico: se nos vemos em outra pessoa durante um tempo, assim que deixamos de nos ver, acabou a paixão. E o amor...ah o amor...é ainda mais difícil.

Jacques- Alain Miller nos ensina que “Amar verdadeiramente alguém é acreditar que, ao amá-lo, se alcançará a uma verdade sobre si. Ama-se aquele ou aquela que conserva a resposta, ou uma resposta, à nossa questão “Quem sou eu?”.”

Depois da paixão vem a construção do amor. Sim, construção. “O melhor caminho do amor conjugal é a amizade” dizia, de fato, Aristóteles. Lacan faz uma objeção a essa bela solução aristotélica ao dizer que o diálogo de um sexo com o outro é impossível. Logo, os apaixonados estarão condenados a estar infinitamente buscando aprender a língua do outro.

lacan.jpg

Volto a Lacan que sobre o amor diz mais: “Amar, é dar o que não se tem”. Ou seja, dar o que vai além de si mesmo, algo que lhe falta. E para tanto é necessário se reconhecer como incompleto, reconhecer justamente essa falta, essa “castração”, segundo Freud. “E isso é essencialmente feminino. Só se ama verdadeiramente a partir de uma posição feminina. Amar feminiza” (Miller). Quem sabe por isso a mulher busca mais o amor, por fazer parte da sua própria essência, e o homem busca preservar a virilidade, fugindo do reconhecimento de ser incompleto.

Vocês podem estar pensando: que aglomerado de idéias! Mas falar de amor sem buscar ajuda é como escutar som no vácuo. O amor não é uma atividade solitária...nem mesmo para somente falar dele. Concluo, enfim, com Jacques-Alain Miller: “O amor é um labirinto de mal entendidos onde a saída não existe”.


Laís Locatelli

De alma cigana, de curiosidade espontanea...Uma leitora incansável que crê no ser humano: somos bons e maus. Isso é ser completo. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/// //Laís Locatelli