shine on you crazy diamond...

"Nobody knows where you are, how near or how far..."

Laís Locatelli

De alma cigana, de curiosidade espontanea...Uma leitora incansável que crê no ser humano: somos bons e maus. Isso é ser completo.

“Ninguém te permite ser tu mismo” Osho


osho.jpg

Osho tinha um cabelo muito comprido quando era criança. Cada vez que entrava em sua casa passava pela loja do seu pai e as pessoas lhe perguntavam se ele tinha uma filha, uma menina. A frustração do pai era tal que a história quase teve um fim a là Policarpo Quaresma, que Osho conta da seguinte maneira:

“Envergonhado e furioso ele veio e cortou meu cabelo com suas próprias mãos. Eu não disse nenhuma palavra. Ele ficou surpreso. Ele me perguntou: você não vai dizer nada, e eu respondi: vou dizer do meu próprio jeito. Então fui em um barbeiro que tinha uma tenda justo na frente da minha casa, eu amava aquele homem e ele me amava. Ele me falava como o grupo dos viciados em ópio, como ele, iriam tomar o governo da Índia. Disse-lhe: corte completamente o meu cabelo. Na Índia somente se corta completamente o cabelo quando o seu pai morre. Por um momento até mesmo aquele viciado em ópio recuperou o sentido e pediu: O que aconteceu, o seu pai morreu? Eu respondi: não interessa, não te preocupe comigo, simplesmente faça o que eu digo, não é assunto seu, somente corte meu cabelo completamente. Ele me disse: feito. Eu então voltei a minha casa e passei pela loja do meu pai. Ele me olhou e todos seus clientes me olharam: Quem é esse menino, seu pai morreu! Em todos os lugares que eu ia me perguntavam: o que aconteceu, ele parecia tão jovem, tão saudável. Eu respondia: as pessoas morrem com qualquer idade. Essa foi a última coisa que o meu pai fez comigo porque ele sabia que a resposta poderia ser mais perigosa. Ninguém te permite ser simplesmente você mesmo”.

Não por nada, mas Osho tem razão. Especialmente porque os pais modelam minis eles mesmos. O cabelo, a roupa, a marca da roupa, os amigos pré-selecionados, a escola, os cursinhos. O melhor, ou o que eles pensam que é o melhor.

Está todo mundo super ocupado, eu sei, para perguntar para a criança o que ela quer vestir, como quer cortar o cabelo - se quer cortar o cabelo - se quer ter estilo rock, skate, surf, playboy ou estilo nenhum. Possivelmente ele escolheria uma camiseta azul, uma bermuda verde, um tênis amarelo, um boné vermelho e está tudo bem. Ou quiçá vai usar uma camiseta favorita todos os dias, o verão todo, do avesso, está tudo bem também.

Mas não termina aí, com os pais. Esse é só o começo. Depois dos pais vêm os outros. Os outros, o mundo inteiro, a vida toda.

Despeço-me com Raul Seixas - que tem bastante claro o seu nível de preocupação com a opinião alheia: “Ninguém tem o direito de me julgar a não ser eu mesmo. Eu me pertenço e de mim faço o que bem entender”.


Laís Locatelli

De alma cigana, de curiosidade espontanea...Uma leitora incansável que crê no ser humano: somos bons e maus. Isso é ser completo. .
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/// //Laís Locatelli