Ilana Sancovschi

sou arquiteta e artista visual, sou movida por histórias, memórias e identidades...

O outro lado da escultura de Ron Mueck

Em um mundo cada vez mais individualista, Ron Mueck apresenta uma obra que nos faz refletir sobre o outro além de nós mesmos.


Melbourne-Australia-Schoo-002.jpg Fonte: Static.guim.co.uk

Muito já se falou das esculturas hiperrealistas de Ron Mueck. Mas pouco se fala das reações que elas causam no público que as vê. Ao entrar em uma exposição do artista, deve-se estar preparado, não somente para a experiência de vivenciar uma arte,mas para a experiência de conhecer o outro e reconhecer a si mesmo. Atualmente em exibição na Fundacion Proa em Buenos Aires, a exposição conta com algumas obras que impressionam o público e ao final um vídeo que mostra como o artista lida com suas obras no dia-a-dia, como as constrói e as estuda.

6451482_dzTcN.jpeg Fonte: fotos.sapo.pt

16nov2013---visitante-observa-a-escultura-mascara-2-durante-exposicao-do-escultor-australiano-ron-mueck-na-fundacao-pra-em-buenos-aires-argentina-neste-sabado-16-a-mostra-reune-nove-escult.jpg Fonte:noticias.bol.uol.com.br

As primeiras esculturas que temos contato, são esculturas de tamanho reduzido, mas de semelhança com o real tão impressionante que é como se estivéssemos vendo um ser-humano “de verdade” encolhido, elas possuem não somente todos os traços verdadeiramente iguais aos nossos, elas possuem expressões de dor, de timidez, de curiosidade e seus corpos se contraem como se fossem verdadeiros seres humanos, porém em escalas “erradas”. Durante minha visita, após alguns minutos observando a figura a minha frente, passo a observar as novas pessoas que chagam a sala de exposição, e estas me parecem de certa forma, elementos mais interessantes de se observar que a própria obra. Suas expressões mudam de uma forma brusca ao encarar os “pseudo seres humanos” criados por Ron Mueck. E então passo horas ali, observando as pessoas que entram e saem da sala, olham, falam, riem e se assustam com cada detalhe daqueles corpos esculpidos pelo artista.

two-women1.jpg Fonte:http://fractalenlightenment.com/

A segunda parte da exposição, é uma ampla sala que contempla uma única escultura. O casal de idosos sentado abaixo do guarda-sol. Esta é de tamanho fenomenal, deve ter uns 4m de altura (não me lembro ao certo) mas ao encarar esta escultura, me vejo mergulhada em algum local esquecido dentro da minha mente. É como se ali eu pudesse me reencontrar com o meu passado, o meu presente e o meu futuro. As expressões e os sentimentos do casal não eram somente realistas naquela escultura, pra mim, elas estavam vivas, era como se eu pudesse vê-los respirar.

playa-800x600.jpg Fonte:http://www.revistamagenta.com/

Em um segundo, escuto um comentário da pessoa ao lado, e me dou conta de que as pessoas que eu observava nas salas anteriores agora podiam me observar e que meus sentimentos e minhas expressões já não eram mais somente minhas elas já faziam agora parte daquele espaço e daquelas obras que todos compartilhávamos. Seguimos então adiante admirando, as seguintes obras que reproduziam e espelhavam homens, animais, suas expressões e sentimentos.

Muek1.jpg Fonte:pr.publico.pt

Ron-Mueck-exposicao-paris-20130415-65-size-598.jpg Fonte:abobadariodamedia.blogspot.com.br

Aos que desejam conhecer a obra do artista, a exposição passará pelo Brasil em 2014.

obs: Não são todas as obras mostradas no artigo que estão na exposição da Fundacion Proa


Ilana Sancovschi

sou arquiteta e artista visual, sou movida por histórias, memórias e identidades....
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/artes e ideias// @destaque, @hplounge, @hp, @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Ilana Sancovschi