tão legal...

...Quanto Um Dia De Chuva Em Bucareste.

Janaina Barroso

Simplesmente Complexo

Vivenciar a solidão pode ser algo libertador ou enlouquecedor, mas que pode ajudar a repensar sobre suas prioridades na vida ou como superar uma desilusão amorosa. Se você aguentar ficar sozinho consigo mesmo, pode aguentar qualquer coisa.


sea-shell-525851_640.jpg

Catava conchinhas enquanto todos se divertiam no mar ou paqueravam na praia. Ao fim do dia sentou-se na areia e ficou admirando o pôr-do-sol enquanto alguns se arrumavam para a balada, e outros conversavam futilidades. Não havia nada de errado em falar futilidades e paquerar na praia, nem se jogar no mar ou na noitada, muito menos. Apenas queria desfrutar das conchas na areia e admirar o pôr-do-sol de mãos dadas com a solidão.

Pois ela não se sentia mais sozinha. O bom de envelhecer era que muitas coisas ficavam claras de uma hora para outra. Soube que "Todos somos sós, nascemos sós e morreremos sós." Mas que a diferença estava em se nos sentíamos sós. Alguns buscam pessoas para partilhar momentos, outros aventuras, e até alguns felizardos encontram o amor, mas todos se mantêm ocupados para não pensar muito na própria solidão. Alguns surtam se ficam mais de um minuto somente em companhia de seus próprios pensamentos, acabam buscando música, TV, internet, uma conversa ao telefone ou a leitura de um livro, e nem se dão conta disso.

Ela era assim, mas aprendeu a tirar coisas boas de sua própria solidão, de sua própria companhia. Parou de buscar loucamente aprovação das pessoas, de buscar alguém que aquecesse seu coração, de conhecer pessoas que se afinassem com ela. Talvez ela tenha visto que nada valia a pena no final das contas. Não odiava todas as pessoas do mundo, mas queria por perto somente quem gostasse dela sem esperar nada em troca, e a maioria sempre esperava algo em troca. E ela sabia que não tinha mais nada a oferecer. Estava seca como o deserto.

"A vida é simples, as pessoas é que complicam." -Pensava

Ficou chacoalhando as conchinhas na sacola e sorria sozinha, pelo barulhinho engraçado que saía delas e pelo barulhinho que sua mente fazia ao mesmo tempo, pela felicidade que uma coisa tão boba podia proporcionar. O que faria mesmo com elas?

shell-257828_640.jpg

Levaria pra casa, as lavaria, guardaria por um tempo e depois iriam para o lixo com todo o monte de tralhas que guardava e depois abandonava. Não conseguia guardar as coisas por muito tempo, diferente dos acumuladores ela precisava jogar fora, doar, arrumar.

Sempre que estava nervosa ou triste, arrumava todas as suas gavetas enquanto pensava sobre a própria vida. Como se as gavetas fossem uma extensão de sua mente, e a bagunça, todos os seus problemas e medos, e arrumando-as todos as suas neuras acabariam. Nem sempre ajudou muito mas sempre permitiu que ela pensasse com mais calma.

Jogou as conchinhas na areia e decidiu escolher uma só para guardar, e dentre tantas perfeitas e branquinhas, escolheu aquela que nos permitia ouvir o som do mar. Encostou-a em sua orelha e soube que ela sempre seria como um telefone com ligação direta para aquele instante mágico que vivia. Juntou as outras conchas novamente na sacola e se levantou, indo até a beira do mar, sentindo as pequenas ondas morrerem em seus pés descalços. Começou a jogá-las uma a uma como quem joga moedas numa fonte esperando que seus desejos se realizassem.

Talvez ela tenha feito seus pedidos em segredo, ou tenha feito algum pacto que somente o Mar saberia. Quem sabe tenha se livrado de todo o peso que o passado e o futuro depositavam em sua costas. Sabia que apenas o momento presente era tudo que tinha agora. Guardou a conchinha escolhida consigo e foi embora, agora olhando as estrelas que enfeitavam o céu como vagalumes. Seu mundo era tão complexamente simples...

sand-465724_640-1.jpg


version 1/s/recortes// @destaque, @obvious //Janaina Barroso