tela inteligente

Vida inteligente e culturalmente relevante no universo televisivo

Allan Aminadab

Um apreciador contumaz de tudo aquilo que permita ao indivíduo sair do lugar-comum propiciando-o reflexões, lágrimas, risos, inquietação, novas perspectivas, aprendizado ou qualquer outra reação realmente sincera. Amante de um bom livro ou HQ e de um ótimo filme, série ou minissérie com destaque especial para os documentários sobre Filosofia, História e Ciências em geral

Depressão, Drogas e Despedida

Steven Soderbergh Questiona em sua Última Produção para o Cinema se Alguns Efeitos Colaterais não Duram Para Sempre.


terapiaderisco1.jpg

A filmografia do diretor norte-americano Steven Soderbergh sempre será avaliada sob a perspectiva desse cineasta conseguir ou não repetir o ótimo desempenho encontrado no seu primeiro filme Sexo, Mentiras e Videotape de 1989. Soderbergh praticamente colocou o cinema independente na vitrine mundial com sua obra-prima naquele final de década e o que tem produzido desde então é algo bem mais equilibrado entre o comercial e o independente.

Soderbergh faz um ótimo cinema comercial, disso não há dúvidas, porém não muito distinto em certos aspectos daquilo que caracteriza esse tipo de cinema. Por outro lado, em qualquer de seus filmes encontramos sua mão firme na condução de todos os aspectos da produção como é bem perceptível na bela construção cinematográfica de enredo tripartite Traffic que lhe garantiu uma estatueta no Academy Awards 2001 na categoria de melhor diretor. De qualquer modo, o cinema de Sodenbergh situa-se acima da média daquilo que Hollywood é capaz de fornecer.

terapiaderisco3.jpg Law e Zeta-Jones: qual a real eficácia dos modernos tratamentos psiquiátricos?

Terapia de Risco trata de como a vida de Emily Taylor (Roonie Mara de Millenium: Os Homens que não Amavam as Mulheres) se vê afetada após seu esposo, Martin Taylor [Channing Tatum], ser condenado à prisão por tráfico de influências. Emily desaba numa forte depressão que gera comportamentos suicidas, fato que a leva as sessões de terapia com Jonathan Banks [Jude Law, vencedor de um BAFTA por O Talentoso Ripley]. Banks inicia uma série de antidepressivos que produzem efeitos colaterais intensos em Taylor tornando sua vida pessoal e familiar completamente comprometida ao ponto de incluir uma possibilidade de homicídio.

A película, um drama pessoal com desenvolvimentos policial e boas doses de suspense, surge como crítica há cultura instalada nos dias atuais a cerca da utilização corriqueira dos fármacos antidepressivos que podem levar seus usuários a agirem de formas inesperadas, impulsionando-os a se portarem diferente do habitual, o que podem transformar drasticamente suas existências dependendo do que façam.

Mais uma vez, como tem ocorrido em boa parte dos filmes em que atua, Rooney Mara executa magistralmente o papel de protagonista oferecendo-nos uma excelente progressão dramática ao longo da trama sendo capaz de transmutar-se de vítima à vitimadora num único olhar. Mara faz-nos duvidar de todos a sua volta enquanto todos dela também duvidam numa atuação estudada e isenta de afetações.

Indicada ao Urso de Ouro no Festival Internacional de Cinema de Berlim em 2013, Terapia de Risco é um ótimo exemplo de filme cujo êxito assenta-se especialmente na sua direção e de como essa interage com os atores possibilitando uma materialização fidedigna na tela do roteiro proposto. Atuações e direção que se somam na construção de uma narrativa bem estruturada com direito a reviravoltas que a mudam por completo resultando numa conclusão em ritmo de thriller que prende a atenção da audiência.

terapiaderisco2.jpg Soderbergh: despedindo-se da direção para cinema?

Segundo o próprio diretor essa é sua última obra cinematográfica, que pena, pois além de ter-se convertido num dos melhores filmes do último ano também configura a receita perfeita para um cinema inteligente que não se resume somente a uma premissa narrativa interessante para atrair o público, mas que entrega a esse uma outra perspectiva de uma problemática atual: a da depressão e seus tratamentos farmacológicos emergenciais e paliativos vigentes na sociedade contemporânea, que por estarem tão difundidos passam-nos despercebidos. Até nos encontrarem.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

+ TERAPIA DE RISCO \\ Side Effects \\ EUA \\ 2013 \\ Gênero: Crime - Drama - Thriller \\ Duração: 106 minutos \\ Direção: Steven Soderbergh \\ Canal: HBO \\ Classificação Indicativa: NÃO Recomendado para Menores de 14 Anos.


Allan Aminadab

Um apreciador contumaz de tudo aquilo que permita ao indivíduo sair do lugar-comum propiciando-o reflexões, lágrimas, risos, inquietação, novas perspectivas, aprendizado ou qualquer outra reação realmente sincera. Amante de um bom livro ou HQ e de um ótimo filme, série ou minissérie com destaque especial para os documentários sobre Filosofia, História e Ciências em geral.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Allan Aminadab