Gilsara Mattos

Gilsara Mattos é escritora, roteirista, palestrante, publicitária e empresária.

O abacaxi que somos

se conseguirmos passar pelos espinhos da casca, descobriremos o doce e as vitaminas necessárias para a alma.


public-domain-pixabay-abacaxi 4.jpg

Todos os dias recebo e-mails e telefonemas cheios de reclamações.

Reclamações sobre maus tratos em suas infinitas variáveis:

- As pessoas são tão grosseiras. - As pessoas são tão antipáticas. - As pessoas são tão insensíveis. - As pessoas são tão egoístas. - As pessoas são tão vaidosas. - As pessoas são tão narcisistas. - As pessoas são tão mesquinhas. - As pessoas são tão falsas. - As pessoas são tão fofoqueiras. - As pessoas são tão superficiais. - As pessoas são tão interesseiras. - As pessoas são tão cruéis. - As pessoas são tão intrigueiras. - As pessoas são tão traidoras. - As pessoas são tão frias. - As pessoas são tão ambiciosas. - As pessoas são tão preguiçosas.

E a lista segue infinita.

Então respondo:

- Sim, na verdade elas não são, mas podem se comportar assim. No entanto, "as pessoas" também podem ser altamente solidárias, fraternas, atenciosas, doces, meigas...

E então recebo a pergunta repleta de ironia e provocação:

- Mas em que mundo você está vivendo? Com certeza não é o mesmo que o meu! O mundo está cada vez pior! As pessoas hoje em dia não respeitam mais nada!!

Rio. Muuito.

Nós, "as pessoas" somos seres imperfeitos, mas basta que nos afastemos um pouquinho para vermos claramente o quanto somos crianças: mimadas e pirracentas.

Crescidos, nossas pirraças e delinquências se tornam muito piores, desastrosas, lamentáveis. Mas ainda assim, somos meras criancinhas.

Somos seres imaturos, em crescimento, deixando nossa índole seguir à sua própria vontade sem nos darmos ao trabalho de corrigi-la, discipliná-la.

Por fora, gigantes cheios de si com terno e gravata e salto alto. Por dentro, meninos e meninas hora assustados, hora mimados, hora pirracentos, hora atrevidos, hora egoístas e tudo o que a lista cita com primor.

Mas o fato é que o "somos todos nós". Todos nós agimos assim hora ou outra. S e c o n s e n t i r m o s.

Adultos ficaremos quando não permitimos mais que a criança que há em nós seja assim: insensível, birrenta e mau educada.

E cabe a cada um de nós educar essa criança ao invés de deixar que ela cresça e nos domine.

Vários de nós conseguiram: Gandhi, Luther King, e tantos outros que pareciam ser na verdade nossos pais ou irmãos mais velhos, já que tiveram uma multidão perante eles a pedir conselhos e ensinamentos para conseguir viver a vida.

Ahh, essa vida que tentamos fazer parecer que dominamos mas que atemoriza tanto.... quando nos sentimos pequeninos e sós. ;)

É preciso apenas entender que a lição ensinada ainda persiste e mantém-se atual: somos irmãos.

Se conseguirmos nos tratar como tais, tiraremos de letra a solidão, a tristeza, a falta de amigos sinceros....as pirraças e as guerras bestas que mais machucam do que resolvem a questão para a qual se busca a solução.

Cada um de nós é obra de Deus e como tal não podemos ser ruins.

Mas podemos sim nos tornar azedos, ácidos, estragados e intragáveis.

No entanto, se apenas nos tolerarmos e lutarmos para "nos tornarmos melhores uns para os outros", iremos descobrir e nos deliciarmos com a doçura e riqueza de sabores que há em cada um de nós: em nossos olhares, em nossas palavras, em nossa capacidade de ajudar, de solucionar, de consertar, de criar, de fazer, de nos juntar, de recomeçar, de perdoar, de amar.

Erbs55-pixabay-abacaxi.jpg

E o amor é essa coisa "louca", deliciosa, exuberante, energizante, esse manjar pelo qual ansiamos a todo momento e sem o qual não achamos graça em nada, não é?

Pois é: ele está em cada um de nós.

Como uma fagulha.

Para que esta fagulha cresça e se torne uma luz incrível, basta apenas que consigamos rir quando nos deparamos com a casca dura e espinhosa que tenta nos enganar e nos fazer esquecer de quem, verdadeiramente, somos.

Precisamos uns dos outros muito mais do que imaginamos precisar.

A vida é mais gostosa em família. E que família grande poderíamos ser se não olhássemos só a casca de cada um, heim?

;)


Gilsara Mattos

Gilsara Mattos é escritora, roteirista, palestrante, publicitária e empresária. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @destaque, @obvious //Gilsara Mattos
Site Meter