Gilsara Mattos

Gilsara Mattos é escritora, roteirista, palestrante

Sexo e Liberdade

Afinal, o que é a independência?


dawson-lovell-603775-unsplash.jpg

"Como digo em todas as minhas obras, a independência não está no sexo. Desculpem-me, mas isso não é a expressão da independência, pois até os animais, irracionais, transam. E as pessoas já agem assim há milênios.

Muito pelo contrário, a independência se expressa justamente na liberdade de poder escolher não transar quando não quer ou com quem não quer e não sermos invalidados por isso. Exatamente por ninguém ser objeto e por nosso valor não estar no sexo ou seja, na nossa disponibilidade ou performance sexual.

A independência está unicamente na VOZ, como sempre digo, no exercício do direito de exercer sua expressão. Isso é ser respeitado.

Ser respeitado é deixar de ser visto como ser não pensante, que serve tão somente como objeto, sexual ou não, fazendo com que fique desesperado por não ser mais jovem ou atraente. Ou rico.

A VOZ. Queridos, a VOZ expressa sua alma, sua essência como ser humano, e é fundamental tanto para o homem quanto para a mulher, jovem ou não.

É no expressar-se que exercemos a nos mesmos. É no expressar-se que a Liberdade (de ser) é exercida.

Por esse motivo a escravidão nos machuca, nos fere, nos entristece e nos tolhe. Ser escravo é como não estar vivo, pois é a vontade do outro que estamos sempre a exercer. Tirar a liberdade de alguém é um castigo, um tormento, um desrespeito.

Deus nos Ama, por isso deu o Livre Arbítrio a todos.

Deus não escraviza, Ele nos Liberta.

Deus nos liberta das correntes do mal, que nos atrai e nos escraviza, nos limita através de nossos próprios defeitos.

E como?

Nos ensinando a amar a nós mesmos e aos outros.

O respeito nos faz usar de forma certa esse Livre Arbítrio.

O respeito a você e aos outros.

Por isso, a liberdade não está no sexo, na sexualidade, na sensualidade, na sedução, na juventude, ou na riqueza, a liberdade está na voz, na liberdade de ser a si mesmo. Como pessoa, pensante, e não como um reles animal no cio, que visa alimentar apenas suas necessidades físicas.

E até estes seres desejam ser livres. Até os animais não devem viver em jaulas, cativeiros, limitados em um espaço, servindo como atrações, como entretenimento.

Como o ser humano então deveria viver dessa maneira?

Ser submisso ao outro, à vontade de outro, é viver dessa maneira.

Todos dependem da liberdade, seja homem ou mulher, para conhecerem a si mesmos, através de suas decisões perante várias situações a que vão se deparando. E a partir desse conhecimento de si mesmo, desenvolver-se intelectualmente.

Intelectualmente.

É aí onde verdadeiramente moramos: em nossa mente.

Não desenvolver a nossa mente é não evoluir como seres humanos.

É permanecer no limite do físico, ou seja, buscar alimentar tão somente, as nossas necessidades puramente animais, como comer ou transar. E como somos humanos, e dependemos de muito mais que isso, nos tornaremos famintos, e buscaremos saciar nosso espírito através também de comprar.

E assim, nos tornarmos "consumidores", tanto do mundo quanto de nós mesmos, de nossas esperanças, de nossa paz.

Como seres humanos, devemos evoluir,

Se não tivermos essa liberdade de expressar-nos, não nos desenvolveremos como pessoas, e seremos reles serzinhos animais.

Portanto, para realmente ter independência e usufruir a Liberdade que nos foi dada por Deus, tornando-nos naturalmente livres, e fazendo-nos ter esse sentimento fazendo parte de nós como direito e expressão de estar vivo, não é preciso atacar os homens ou quem quer que seja, e sim a fraqueza em si mesmo(a) que impede a VOZ.

Mas lembre-se: ao ter VOZ, não grite. Respeite.

Lembrem-se, mulheres que os homens, assim como nós, também estão em aprendizado, e também como nós, vêm repetindo os erros que lhes foram ensinados sem saberem que são erros: a submissão do outro como proteção de si mesmos à essa mesma submissão.

Portanto, os homens também têm correntes para se libertarem.

Façamos portanto, um belo trabalho em equipe. Não separados. Vamos dar as mãos a eles. Senão o trabalho jamais será completo. Pois homens e mulheres complementam-se. Separados nos sentimos incompletos, e portanto, menos. Tanto eles, quanto nós.

O egoísmo, a ira, o rancor, a mágoa, a vingança, o desamor e o desrespeito a si mesma e aos outros, impedem a evolução e causam a desordem, o Caos. Quem é feliz no caos?"

Leia mais sobre esse assunto em "SER MULHER", de Gilsara Mattos.

Foto: Dawson Lovell - Unsplash


Gilsara Mattos

Gilsara Mattos é escritora, roteirista, palestrante .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// //Gilsara Mattos