Gilsara Mattos

Gilsara Mattos é escritora, roteirista, palestrante

Timidez é um tormento

Mas por que ela existe? Existe?


borboleta.jpg Foto: Yuichi Kageyama

A timidez é tida muito vezes como indiferença, falta de tato, de interesse, frieza, grosseria, desamor, fraqueza, inconstância, e várias outras denominações que rotulam injustamente as pessoas tímidas.

Injustamente, porque as pessoas tímidas muitas vezes, em sua maioria, não ternas, ao invés de grossas, estáveis ao invés de inconstantes, interessadas e super amorosas.

Mas é fato que quem vê cara, não vê coração, motivo pelo qual nós, humanos, erramos tanto em nossos julgamentos tanto para o bem, quanto para o mal.

A sociedade exige que uma pessoa seja vencedora para ser aceita.

E criou-se um padrão, e com ele, características para identificar os campeões.

E isso foi um desastre para o desenvolvimento das pessoas e seu conforto para viverem nesse mundo.

Ganhadores do Prêmio Nobel, por exemplo, não se adequam a esse padrão e não têm sequer uma das características criadas por esses auto-intitulados experts em criar padrões.

E no entanto, essas nobel-premiadas mentes, são vencedoras.

Para que criar padrões?

Não é tão maravilhoso viver e ser livre?

Deus mesmo, o dono de tudo, não nos criou livres?

Sua única regra, a meu ver, é não fazer mal a ninguém, ou seja, nem aos outros, nem a si mesmo.

Para curtir a liberdade de existir, e podermos nos desenvolver, nos deu o Livre Arbítrio, e para que não nos machucássemos transformando a liberdade em libertinagem, nos deu regras que funcionam como proteção.

Uns de nós são mais afoitos, e outros, mais analisadores.

E ambos têm qualidades e defeitos a serem descobertos por eles mesmos, para que então, possam deletar os defeitos e ficar com as qualidades, assim como se tira a impureza da prata.

E isso é um trabalho individual a ser respeitado.

Todas as pessoas são importantes.

Todas têm valor para Deus.

Nós não conseguimos conhecer nem mesmo superficialmente, os 8 bilhões de pessoas que compartilham esse imenso planeta, mas Ele, as conhece uma a uma.

É deslumbrante, fascinante viver, e descobrir a vida, a nós mesmos, o outro, e Deus. Não necessariamente nessa ordem.

A vida, o existir é riquíssimo, e limitá-lo à uma fórmula ou formato, como se todos tivessem que trilhar em fila o caminho averto por um, é um desperdício.

Obviamente não estou falando aqui de evitar o que é bom e seguro, e sim, o que é limite para ser si mesmo. Sempre seguindo a regra básica da civilidade é claro, de não fazer mal a ninguém (e isso inclui a si mesmo) nem a nada, pois todos, logicamente, sabem que o Bem é que é Bom.

Estou falando aqui de características de personalidade, ser extrovertido ou introvertido.

A timidez, arrisco afirmar, ao invés de ser um defeito a ser tratado em psicólogos e psiquiatras, deve ser até aplaudida e respeitada.

Respeitada porque é uma característica de uma pessoa, seja essa característica, parte de sua personalidade ou fruto de traumas ocasionados na infância, afinal, os pais, por mais amor que tenham aos filhos, são igualmente a todos, tímidos ou não, meros seres humanos também em desenvolvimento.

Portanto, a pessoa tímida deve buscar ajuda profissional para extinguir essa característica de si, apenas se não estiver confortável com ela.

Mas como identificar se é uma característica ou é fruto de trauma, se a sociedade não deixa que os tímidos se sintam bem e confortáveis nesse mundo?

Simples:

Se você não se sentir bem com holofotes, mas se sentir ótimo sem eles, sem que os deseje, você é apenas tímido(a). Se você não se sentir bem com holofotes, mas se sentir péssimo sem eles, e os deseje, há um motivo a ser desvendado.

E jamais confunda "querer ser reconhecido por um trabalho" com "desejar aparecer e ser aplaudido a qualquer custo".

A segunda característica expressa um motivo a ser desvendado, que levou a pessoa a precisar ser aplaudida para conseguir sentir o valor próprio.

Geralmente, inclusive, pessoas assim foram crianças muito menorizadas, criticadas, vaiadas, pelas pessoas de casa, e então, desistiram de tentar descobrir seus talentos, visto que foi-lhes afirmado tantas vezes que não tinham nenhum. Mas porque como todas as pessoas precisam sentir-se valiosas, começaram a fazer qualquer coisa que lhes proporcione esse prazer.

Contudo, cada caso é um caso.

Há um ponto de partida, não um padrão.

A timidez, deixo claro, não impede o sucesso de uma pessoa, ou seu insucesso, dependendo sempre, é claro, de seu grau de empenho, de dedicação para conseguir chegar ao êxito desejado.

A extroversão não é sinônimo de garantia de sucesso, e temos nessa mesma sociedade, vários exemplos.

O que devemos fazer, com toda certeza, nesse mundo diverso, é dar o espaço necessário a cada um, INCLUSIVE A SI MESMO, para que se descubra, e assim, possa conhecer suas próprias características naturais, se sentir a vontade com elas, e então escolher trabalhar si mesmo, podendo exercer sua própria essência e desenvolver as qualidades, as características benéficas, que lhes trouxerem mais conforto em existir.

Tratar a timidez como uma característica ruim, tirará a chance inclusive, de descobrir que nem é tímido. Afinal, por que seria? A timidez me parece uma reação de medo e insegurança, perante a definição errada, de não ser bom o bastante.

Muitos considerados "tímidos", são apenas pessoas metódicas, equilibradas, matemáticas, e precisam de silêncio para progredirem seus projetos.

TIMIDEZ pode ser um rótulo erroneamente dado à cautela.

Na maioria das vezes, a pessoa considerada "tímida" a partir dos padrões criados, é ainda mais forte e mais livre do que todos aqueles que assim se julgam.

Talvez os "tímidos" sejam pessoas que têm as asas tão grandes que não conseguem acomodá-las em um recipiente chamado "padrão" e por isso se sintam tão desconfortáveis.

Lembrem-se: as leis foram criadas para transgressores. Quando você as tem no coração, não precisa mais delas.

Assim como as lagartas não se transformam em borboletas quando têm invadido seu processo de formação, os seres humanos também não podem ser agredidos, pois isso coloca em risco o desenvolver e o revelar de sua essência.

borboleta 3.jpg Foto: Nathan Dumlao

É bom lembrar que até hoje, os pesquisadores descobrem uma nova espécie que os deslumbra.

Se criarmos fórmulas e obrigarmos as pessoas a se ajustarem nelas, estaremos fadando a todos a se tornarem lagartas para sempre.

Que caos seria o mundo.

Não será isso o que tem acontecido devido ao alto índice de consumo de drogas, lícitas ou não, cirurgias plásticas, troca de sexo, divórcios, gravidez na adolescência, falta de perspectiva, depressão, marginalidade e frieza que têm preenchido as páginas dos jornais?

borboleta 2.jpg Foto: Beckett Ruiz

"VIVA E DEIXE VIVER": Está na hora de praticar essa frase que resulta da lei de mais ou menos 7 mil anos nos ensinada pelo próprio Deus, que é "Respeite o seu próximo como a si mesmo".

E os extrovertidos? São muito importantes. :) E os introvertidos? também! :)

Deixo com vocês o filme abaixo para relaxar e comprovar minhas palavras.

Titulo original: "Les Émotifs anonymes"

Direção: Jean-Pierre Améris

Protagonistas: Isabelle Carré e Jean-René Van Den Hugde


Gilsara Mattos

Gilsara Mattos é escritora, roteirista, palestrante .
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/sociedade// //Gilsara Mattos