traz mais uma...

...põe na conta e puxa uma cadeira que o assunto aqui é arte.

Jeferson Batista

Traz mais uma que ainda tem assunto...

Mafalda e os antigos problemas atuais

A personagem Mafalda foi criada pelo cartunista argentino Quino em 1962, no entanto, cinquenta anos depois, suas críticas são atuais e os assuntos abordados ainda são os mesmos. Agora na mesa, as críticas sagazes da Mafalda


borracha.jpg

Parece escrito agora em 2012, porém não. A personagem Mafalda foi criada pelo cartunista Quino em 1962. Isso mesmo! A garotinha Mafalda já é uma cinquentona.

No entanto, é dificil não relacionar a crítica política / social que a garotinha faz nas desventuras de sua infancia com a nossa desventura de ser gente.

O interessante da turma da Mafalda é entender como as crianças entendem essas questões sociais e políticas e é dentro da inocencia dessa turminha que a crítica é feita.

CONGRESSO.png

As personagens foram construídas de forma à esfregar na cara do leitor o quão errado está a sociedade que o rodeia. O mundo não é bom e não é fácil de se explicar para uma criança, no entanto, nas tirinhas da Mafalda isso vira o avesso e são elas, as crianças, que nos explicam o mundo.

Utilizando de metaforas bem fáceis de se entender, Quino promove o debate de questões que ainda, depois de cinquenta anos, são feridas expostas no corpo de uma sociedade politicamente alienada e socialmente passiva.

empregados dos EUA.jpg

A exemplo, sua tartaruga de estimação, chamada de Burocracia, ainda em 1962 a burocracia servia para... para... para nada, bem como serve uma tartaruga de estimação, não é como um cachorro carinhoso ao servir seu dono ou ainda como um gato, veloz ao querer alcançar aquilo que deseja. A tartaruga apenas anda, perambula vagarosamente, ora, por que não chamá-la de Burocracia.

Outro exemplo de que gosto muito é Manolito, filho de comerciantes, que não tira boas notas, exceto, quando o assunto é matemática, pois aprendera matemática no ofício de seu pai. Manolito tem por preocupação primordial os negócios de sua família, um garoto gordinho e truculento, perfeito para simbolizar o capitalismo, é retratado como um menino egoísta, interessado somente no lucro do comércio de seu pai, é assim que encara a vida, numa relação oferta procura, inclusive em suas relações afetivas.

manolito.jpg

Mafalda faz críticas à corrupção dos políticos, à manipulação em massa da televisão, à futilidade de mulheres que sonham em casar-se com homens ricos... É realmente dificil de acreditar que essas tirinhas foram escritas na década de 60.

Atualmente, Mafalda é figurinha fácil nas páginas das redes sociais, pois ainda é perfeita em explicar nossa sociedade nos dias de hoje.

Isso é fácil de se entender, pois Quino é um cartunista de grande manejo na arte dos quadrinhos. O que não é fácil de se entender é como a mesma situação perdura durante 50 anos.

papa.jpg

Há cinquenta anos vivemos problemas iguais, ainda políticos roubam, ainda mulheres injetam silicone em seus glúteos para arrumar maridos ricos, ainda a televisão nos convence que para sermos felizes necessitamos seguir suas regras. Ainda, ainda, ainda...

No entanto, o que mais me atormenta é capacidade que temos de difundir essas informações, rir do sarcasmo oferecido por Quino, levantarmos de nossas cadeiras e continuar vivendo do mesmo jeito, com os mesmos problemas.

As tirinhas de Mafalda ainda fazem sucesso porque o assunto ainda atual. Em pleno ano de 2012, onde a internet nos oferce informação imediata, nos preocupamos em noticias superficiais de celebridades ao invés de propor à mesa conversas que acrescentem à nossas vidas um mínimo de informação sobre aquilo que é feito, que fazem e que fazemos de nossas vidas.

DEMOCRACIA.gif

É vergonhoso, mas estamos de braços cruzados diante desses problemas, entendídos e explicados por crianças, há pelo menos 50 anos.

Não me sinto bem com isso...

Agora, traz mais uma...

Em tempo: Por coincidencia ou não, Mafalda detesta SOPA.


Jeferson Batista

Traz mais uma que ainda tem assunto....
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/// @destaque, @obvious //Jeferson Batista