tropic appetites

'in a silent way it's about that time'

Roberto Mortágua

  • exist not.jpg
    Visões poéticas
    Por cada pedaço de expressão alheia, uma visão poética minha. Esta é a minha verdade. Palavras imaginadas de Federico Garcia Lorca, Jean-Paul Sartre, Jorge Luis Borges, Sylvia Plath, Sophia de Mello Breyner Andresen, Julio Cortázar e Álvaro de Campos.
  • mulheres de Navajo.jpg
    Forças Alucinatórias de D.H. Lawrence

    Não terá sido obra do acaso a escolha de um personagem feminino como representante central e caracterizador do seu pensamento mais profundo e contingente. Há, podemos afirmar, uma certa feminidade no carácter de Lawrence, que aliás parece estar bem implícito na totalidade da sua obra literária.

  • papua.jpg
    Templos de Silêncio

    "Quando estava no Gana, levei comigo um microfone stereo e um gravador de cassete para gravar ostensivamente música indígena e padrões de discurso. O que eu às vezes fazia em vez disso era sentar-me no pátio da vila ao entardecer com o microfone colocado de forma a captar a maior quantidade de sons vindos de todas as direcções e ouvir os resultados nos meus auscultadores. O efeito deste simples sistema tecnológico era agrupar todos os sons captados num único quadro aural: esses sons tornaram-se música"

    Brian Eno nas notas de On Land (1982) in (Toop, 1995)

  • III.jpg
    Espaço, Jardins e Plasticidade

    Uma pequena história sobre como o espaço parece se ter tornado em algo plástico e moldável, não apenas o sempre presente palco de vida, mas um ser activo e em complexa comunhão com a acção. Um jardim e os aparentes motivos; A personificação da funcionalidade; O uso e a apropriação.

  • nature.jpg
    Teatro de Sons

    Respostas há muitas, grandes perguntas nem tanto e respostas a grandes perguntas ainda menos. Quis saber como a soundscape é percepcionada, a forma como é ouvida, processada e transmitida. Que impacto tem na construção sonora que o indivíduo faz do mundo, como é que cria significado, referências sonoras particulares, em última instância, como confere identidade. De que forma se associa promiscuamente à ideia de paisagem visual e, tendo este aspecto em consideração, até que ponto essa promiscuidade eleva a expectativa da contemplação. Mais além ainda, em que ponto se encontra no presente e após 30 anos da sua primeira consideração teórica, quererá dizer o mesmo que outrora no multifacetado panorama actual?