tudo acaba em canções

-rascunhos poéticos, literários e musicais e outros na curva das horas

marina malheiro

"Eu não escrevo em português. Escrevo eu mesmo."

Fernando Pessoa

# Com a poesia toda nas mãos

No tempo das suaves raparigas trouxe Ruy Belo a poesia, o tempo, o sonho, a esperança. Borges, descalço pela areia da praia, trouxe-nos a liberdade. Trazemos os poemas em nós?


robert_doisneau_les_coiffeuses_au_2.jpg Les Coiffeuses, Robert Doisneau (Todos os direitos reservados)

A ensaista e escritora Susan Sontag escreveu no seu discurso de aceitação do prémio Jerusalém-(1) ( A Consciência das Palavras): " Preocupamo-nos com as palavras , nós escritores. As palavras têm significado. As palavras apontam. São setas espetadas na pele dura da realidade. (...)a maior parte das pessoas quer dizer com "paz" é vitória. A vitória do seu lado. "

Um dos maiores poetas portugueses cuja obra será sempre eterna e bela chama-se Ruy Belo. Em dia internacional da poesia, com a Primavera em nós, com a esperança toda que os poetas nos dão, com a capacidade de ver para além da linearidade da nossa curva nos dias, trago este poema nas mãos : "O tempo das suaves raparigas é junto ao mar ao longo da avenida ao sol dos solitários dias de dezembro Tudo ali pára como nas fotografias É a tarde de agosto o rio a música o teu rosto alegre e jovem hoje ainda quando tudo ia mudar És tu surges de branco pela rua antigamente noite iluminada noite de nuvens ó melhor mulher (...)(2)

E Borges? O grande Borges de pés descalços na areia, trazendo-nos, livre, o Poema? "Ni la intimidad de tu frente clara como una fiesta ni la costumbre de tu cuerpo, aún misterioso y tácito y de niña, ni la sucesión de tu vida asumiendo palabras o silencios serán favor tan misterioso como el mirar tu sueño implicado en la vigilia de mis brazos. " in Amorosa anticipación (JLBorges)

E a música ? mesmo sem poema , é toda ela metáfora, o mundo, para quem a escuta ? Ora escutem Rodrigo Leão em "Imortal"

Como escreveu Ruy Belo "Sabemos agora em que medida merecemos a vida".

(1)Susan Sontag, Ao mesmo tempo, Quetzal, 2011 (2) Ruy Belo , O tempo das suaves raparigas, Assírio & Alvim, 2010 (3) Rodrigo Leão, Imortal, 2008


marina malheiro

"Eu não escrevo em português. Escrevo eu mesmo." Fernando Pessoa.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/cinema// //marina malheiro