um ponto no infinito

Sobre o que não é visto, mas que não deve ser ignorado,

Hellen Neto

Escrita é desabafo. É libertação.

Email: [email protected]

Do conflito entre o eu e o outro

Afinal, o que mais importa: os meus valores ou os valores do outro?


Sem-título1.png Google Imagens

Calados em um grito abafado, em meio a olhares de piedade daqueles que se sentem dignos de tecer julgamentos sobre o modo como conduzimos nossas vidas. Talvez o aspecto mais complicado de nossas dores seja não propriamente o que as originou, e sim o meio social que nos envolve e nos impulsiona a adotar determinados sentimentos e atitudes como coerentes à situação em que nos encontramos.

Ouso afirmar que uma das nossas maiores mazelas e intempéries é justamente o outro. O outro que tenta nos ajudar, mas ao fazer isso, nos julga. E é exatamente esse julgar que, muitas vezes, faz com que transborde uma dor que, afinal, nem era tão potente, mas que o externar levou-nos a uma crise interna provocada por um inconsciente pressionado a se culpar de acordo com os pensamentos alheios.

Não que os outros sejam os únicos culpados de nossas infelicidades e martírios. Sabemos, como seres “racionais” que somos, que muitas vezes provocamos situações que nos levam ao desconforto da dor.

Porém, é comum tecermos crises de consciência pautadas no que os outros pensariam a nosso respeito; ou como nos enxergariam após terem ciência de uma atitude que, para nós, nem era tão grave, mas que, uma vez publicitada, poderia render desconfortos e repreensão.

Mas será que realmente é viável seguirmos nossas vidas baseados nas expectativas do outro ou com medo do modo como nos julgariam?

Basta-nos questionar o que realmente queremos e o quanto as expectativas alheias nos impactam. Saberemos lidar com os olhares de repúdio dos demais e ainda assim mantermo-nos fiéis às nossas vontades? Ou sucumbiremos ao consenso do certo e socialmente aceitável, mas abrindo mão dos nossos mais profundos anseios?

Cabe a cada um analisar o que é mais importante para si. A análise deve ser bastante cuidadosa e vai do ser taxado de “louco” em uma sociedade de indivíduos normais e iguais; ou ser “normal” e igual em uma sociedade com alguns loucos que teimam em manterem-se fiéis a si mesmos.


Hellen Neto

Escrita é desabafo. É libertação. Email: [email protected]
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Hellen Neto