universo paralelo

Um lugar à parte, repleto de uma mistura envolvente entre música, história e arte.

Jasmine Serra

Uma mulher admitidamente viciada em música, história, arte, filmes e literatura. Aspirante a algo ainda indefinido, mas cuja busca incessante há de ser proveitosa.

Tim Maia e o Azul da Cor do Mar

História por trás da composição de um dos maiores clássicos de Tim Maia


Tim+Maia++2.jpg O ano era 1969 e lá na rua Real Grandeza, em Botafogo, Sebastião Maia - mais conhecido como Tim -, estava hospedado no modesto apartamento de um antigo amigo seu, Juancito, que adotara o nome artístico de Fábio e dividia o apê com o seu empresário Glauco Timóteo. O apartamento tinha apenas dois quartos, então Tim dormia no “dromedário” (um sofá com uma capacidade inata de desconsertar colunas). Mas com o seu excesso de gordur... ops... fofura aconchegante, o dromedário era um dos menores problemas de Tim no momento, que na verdade estava louco para gravar seu cd, ganhar dinheiro e “dar uma” - na verdade “dar várias”. O apartamento era um contínuo entra-e-sai de mulheres, desfrutadas exclusivamente por Fábio e Glauco. E o tesão do gordinho aumentava continuamente, sempre sentindo o cheiro e ouvindo os gemidos de felicidade das garotas, que estavam tão perto e ao mesmo tempo tão distantes do seu domínio.

Frustrado, sem cd, sem dinheiro, sem sucesso e sem mulher, Tim estava ficando desiludido. Em meio à esse cenário, Fábio e Glauco viajaram para shows em Salvador e Recife, deixando-o sozinho, com uma graninha básica para as despesas e o aviso de não tentar agarrar a empregada. Sua primeira medida foi sair do dromedário - e após testar a cama de Fábio -, optou pela de Glauco. Em frente à cama havia um pôster imenso de uma morena com curvas belíssimas, nua contra o mar azul do Taiti. Mais triste, sozinho e carente do que nunca, Tim pegou seu violão, ligou o gravador e começou sua produção.Tim+Maia+++70s++brazilian+soul.jpg Assim que Fábio voltou de viagem, Tim pegou o gravador e mostrou o que havia feito na sua ausência, inspirado no pôster da bela morena:

“Ah, se o mundo inteiro me pudesse ouvir tenho muito pra contar, dizer que aprendi, que na vida a gente tem que entender, que um nasce pra sofrer, enquanto o outro ri.

Mas quem sofre Sempre tem que procurar pelo menos vir achar razão para viver...

Ver na vida algum motivo pra sonhar Ter um sonho todo azul Azul da cor do mar...”

Ao escutar a gravação Fábio ficou maravilhado e gritou aplaudindo e abraçando Tim, “tu acabou de fazer a música da tua vida!”.

images (2).jpgA música foi incluída no primeiro álbum de estúdio com o título "Tim Maia", lançado em 1970 pela gravadora Polydor, selo da antiga Polygram. O disco foi bem recebido pelo público e foi um dos mais vendidos no ano seguinte ao seu lançamento. E então aquele doloroso momento de frustração se transformaria em um dos maiores sucessos do Síndico do Brasil, o inesquecível Tim Maia. 30666_image_2.jpg (Mais grave! Mais agudo! Mais retorno! Mais tudo!)


Jasmine Serra

Uma mulher admitidamente viciada em música, história, arte, filmes e literatura. Aspirante a algo ainda indefinido, mas cuja busca incessante há de ser proveitosa. .
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 5/s/musica// @destaque, @obvious //Jasmine Serra