utópica verdade

Entre o sonhar e o realizar existe um meio termo

Alberto Coutinho

Além de marido apaixonado e pai coruja, sou ser indomável e pertinaz perseguidor da verdade que está no horizonte feito utopia. A cada aproximação conheço melhor o mundo, as pessoas e a mim mesmo, mas nunca a possuirei plenamente.

Qual o seu time???

O esporte nacional como arma de dominação? É possível ou seria mais uma teoria de conspiração? Tire suas conclusões lendo esse artigo.


Bola-murcha.jpg

Quando perguntam qual meu time, sinto certo pânico ao pensar em responder. Por um segundo passa pela minha cabeça a discriminação, os olhares desconfiados ou de desprezo. Alguns tentam até entender sem entender. Outros devem me achar um alienígena ou coisa pior. Mas imediatamente me recomponho lembrando as palavras de Nelson Rodriguez, que trazem certo conforto essa hora: “Toda unanimidade é burra”. Não que eu me sinta superior, mas carregar o fardo de querer ir além das aparências, das emoções fortes, da alegria vazia de um grito de gol que se perderá no tempo sem deixar nenhum legado útil para a humanidade é uma tarefa para poucos. Então, forçando a naturalidade respondo: Eu não gosto de futebol. Após um silencio que parece uma eternidade, os olhares se desviam buscando na mente entender esse fenômeno raro. Alguns, num esforço de educação, apenas balbuciam um ruído que, de pretensioso, simula uma aceitação, mas outros não se controlam e partem para os questionamentos. Assim resolvi perder o medo e juntar numa espécie de manifesto todas as razões pelas quais eu não gosto de futebol.

Um dia eu gostei de futebol e torci para um time, mas ao perceber como o futebol é habilmente usado para promover a alienação das massas e seu distanciamento das questões importantes fiquei estarrecido. Não que eu debite ao esporte inglês a culpa pela falência de nossos valores e da transformação do patriotismo em piada, pois, hodiernamente, existe uma tendência à mudança desse quadro, mas acompanhando a nossa história recente, vemos que o fervor de nosso povo para lutar por seus diretos e reivindicar o que é certo, foi paulatinamente trocado pelo fervor futebolístico onde os gritos de reivindicação das ruas foram substituídos pelos gritos de gol. Resumindo, nosso IDH é inversamente proporcional ao quantitativo acumulado de gols.

Estranhamente as copas em que a seleção brasileira foi campeã sempre estiveram próximas a momentos de crise. Em 1956 a revolta de Jacareacanga quando militares da aeronáutica insatisfeitos tentaram depor o presidente Juscelino Kubitschek e prepararam o terreno para o golpe de 1964, a seleção brasileira ganhava sua primeira copa em 1958. 1960, a capital do Brasil é transferida do Rio de Janeiro para Brasília em meio a críticas sobre os gastos excessivos e o endividamento junto a credores internacionais e em 1962 a seleção brasileira se consagrava campeã de mais uma copa. No ano de 1970 era mais um campeonato enquanto vivia-se a sombra do AI5. Na década de 90 tivemos o impeachment do presidente Fernando Collor (1992), ocorre a conferência mundial para o meio ambiente (1992), plebiscito sobre o sistema de governo (1993) e a seleção brasileira conquista mais um título na copa do mundo de 1994.

Somos o país do futebol ou nos fizeram um país de futebol? Aos poucos já estávamos viciados em futebol e a nossa “domesticação” ou transformação de povo politizado e reivindicador para cordeiros mansos indo para matadouro (ou maracanã), já estava completa. Numa atualização da frase de Maquiavel quando ele diz que “O povo precisa de pão e circo”, podemos dizer hoje: o povo é pobre, mas somos o pais do futebol! Contraditoriamente, os jogadores de futebol mais idolatrados, em sua maioria, não vivem aqui. São “estrangeiros” que comercializam a alegria do povo pobre e miserável esbanjando um dinheiro que serviria para resolver muitos problemas sociais em muitos países.

Hoje, além da copa do mundo, são quase 100 campeonatos se considerarmos todas as divisões. Assim temos a Copa do Brasil (competição nacional); campeonatos regionais; campeonato brasileiro (acontece no segundo semestre); a taça libertadores da América (times da América do sul e do México) entre outras competições espalhadas pelo mundo. Tudo massivamente transmitido e enfiado pela mídia dominante na mente das pessoas de forma impositiva.

O absurdo chega a tanto que frequentemente e vemos episódios de violência, assassinatos, acidentes envolvendo as grandes multidões de torcedores. Mas tudo isso é pouco comparado com o volume de dinheiro movimentado em torno desse circo. Somente a Fifa, terá um lucro de mais de 10 bilhões com uma única copa. Se somarmos isso ao lucro dos patrocinadores, dos times, as transações milionárias envolvendo jogadores, concluímos que a soma é muito alta para se pensar em soberania nacional, em benefício para o povo e para a distribuição justa dessa renda que traria muitos benefícios reais.

Hoje em dia, quando uma criança nasce, a primeira preocupação do pai é se o seu filho seguirá sua preferência futebolística. É muito comum comprar a camisa do time antes de comprar o primeiro pacote de fraldas. Nesse contexto familiar, é sempre o time do pai que vai prevalecer em detrimento do time da mãe. A genitora, quando não abre mão do seu time para torcer pelo mesmo time do marido, não arbitra sobre que time a criança deve ou não seguir. Provém daí que o infante, quando pode utilizar o seu livre-arbítrio, já está tão condicionado ou com medo de contrariar o pai que dificilmente muda de time.

Muitos jovens, sonham em serem jogadores de futebol. Sustentando esse sonho, o rendimento escolar vai por água abaixo, pois seus ídolos e exemplos de vida não precisaram estudar tanto para ganharem milhões. Muitos pais projetam seu sonho frustrado de infância nos filhos e gastam o que não podem para pagar uma escolinha famosa de algum time. Segue assim até que o jovem não tenha mais idade de ser “descoberto” por algum olheiro. Frustrado e sem completar seus estudos, ainda tem a chance de fazer um curso supletivo, mas, a mente desacostumada ao esforço, assume a tarefa como um fardo. Para ele estudar acaba sendo chato, dando muito trabalho. Este jovem craque acaba num trabalho ganhando salário mínimo ou num sub-emprego, sem garantias e com carga horária que não permite que ele volte a sonhar. Exagero? Talvez, mas acho que todo mundo já viu uma história dessas.


Alberto Coutinho

Além de marido apaixonado e pai coruja, sou ser indomável e pertinaz perseguidor da verdade que está no horizonte feito utopia. A cada aproximação conheço melhor o mundo, as pessoas e a mim mesmo, mas nunca a possuirei plenamente..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/artes e ideias// //Alberto Coutinho