utópica verdade

Entre o sonhar e o realizar existe um meio termo

Alberto Coutinho

Além de marido apaixonado e pai coruja, sou ser indomável e pertinaz perseguidor da verdade que está no horizonte feito utopia. A cada aproximação conheço melhor o mundo, as pessoas e a mim mesmo, mas nunca a possuirei plenamente.

E o PT com isso?

Entre as vaias e xingamentos e os defensores radicais do PT pode existir uma competente manipulação da opinião pública onde os dois lados jogam pesado para trair e atrair nossa atenção desviando o foco do problema maior.


partidos.jpg

Antes que perguntem, não sou petista. Nesse momento de alienação coletiva, lógica e ponderação devem ser usadas ao invés dos argumentos emocionados, dos gritos e dos xingamentos. Fora disso, seremos joguetes das forças manipuladoras de opiniões achando que estamos no uso do livre arbítrio. De fato o PT tem boa parte de culpa, porém, como estado democrático, concordo que a responsabilidade deve ser dividida proporcionalmente sobre os ombros daqueles que detêm o poder. Só para lembrar, nosso sistema político é extremamente blindado contra ditadores e impede que um único presidente dite as normas transformando o executivo em mero executor das regras criadas no congresso nacional. Felizmente o PT não é maioria no congresso e depende dos outros partidos. Em contra partida, os outros partidos só apoiam o PT se este apoiar seus projetos. Nosso congresso nacional é como um prostíbulo de votos onde se pratica orgias grupais em troca de apoio mútuo sem o menor respeito com o povo. Então tudo de ruim e corrupto que existe a muitas décadas no Brasil, ganha vida no congresso nacional. Não podemos nos esquecer que a maioria dos presidentes saem de lá.

Atualmente, nenhum partido conhecido tem em suas frentes uma mentalidade soberana que defenda uma ideologia que lhe dê um caráter definido e fidelidade aos valores da ética, do respeito e principalmente ao princípio da defesa do interesse público. A governabilidade está vinculada a distribuição de cargos e verbas. O loteamento por grupos que defendem seus interesses particulares como os ruralistas e os evangélicos é tão visível que surpreende não pelo fato de existirem, mas pelo fato de que assumem estar a disposição dos interesses de um determinado grupo e não do povo como um todo. O conjunto de partidos que estão no poder é o que entrava este país e não somente o partido X ou Y. Precisamos é forçar para que leis moralizadoras como a reforma tributária, a reforma política entre outras sejam priorizadas e aprovadas. Somente assim deixaremos de assistir calados nossos deputados e senadores trocarem trabalho por cargos; teremos uma fiscalização mais eficiente das verbas da educação e saúde com a garantia de que cheguem ao destino; não teremos mais governadores e prefeitos ávidos pelas tragédias naturais para não ter que passar pela licitação no uso do dinheiro dedicado as emergências; somente assim veremos o fim dos financiamentos das empreiteiras para as campanhas eleitorais em troca dos favores do governo e finalmente deixaremos de ficar indignados com as secretas votações que deixam de punir os políticos criminosos ou que aumentam frequentemente seus salários.

Ao abrir mão da ideologia que, no passado, mantinha um pouco de patriotismo e respeito pelo povo nas duas casas, permitiram os partidos esse troca-troca de favores onde o congresso só consegue avançar em suas pautas caso o outro partido aprove não o que está de acordo com o interesse público, mas com os interesses do outro. Nesse ponto, infelizmente, foi onde o antigo PT perdeu sua sintonia com suas origens. Fato que comprova essa tendência é que numa entrevista ao jornal televisivo Bom Dia Brasil, a ex ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann citou, em referência a MP dos portos uma frase que me chamou atenção não somente em relação a este assunto mas sobre aspectos mais abrangentes da relação de nosso congresso nacional com o povo que o elegeu. Disse a ministra: "[...] É um tema com possíveis conflitos de interesses. Mas nós acreditamos que o Congresso vai colocar os interesse do país acima desses conflitos". De uma forma diplomática e acredito que sem perceber, toca ela no que seria a maior das crises institucionais de nosso congresso que é governar segundo seus interesses.

Fingindo que estão defendendo o interesse público agem sombreados pelo Artigo 53 da Constituição Federal que se transformou de proteção aos representantes do povo contra futuros abusos como os que foram cometidos no golpe militar de 1964 em garantia de impunidade. Acho eu que essa crise ética é mais grave que o problema da corrupção, pois esta decorre sempre do sentimento egoísta de nossos deputados e senadores. Triste é constatar que a conduta deles é avalizada pelo nosso voto que é manipulado pelas campanhas eleitorais nada democráticas. É sabido que a publicidade e a propaganda é o que realmente elege quem deveria nos representar. A ilusão que a mídia cria é tão real que acreditamos estar no uso pleno de nossa liberdade, mas na verdade as modernas técnicas de propaganda utilizadas por profissionais competentes, anulam nosso livre arbítrio e conduz o eleitor menos crítico como gado conduzido aos "currais eleitorais" que perpetuam no poder pessoas nada comprometidas com o interesse público. Não vivemos numa democracia. Que democracia é essa em que o povo tem seu poder de reflexão anulado pela propaganda eleitoral hábil, que comanda seu poder de escolha e anulam seu livre-arbítrio? Acrescente-se ainda que tais campanhas são financiadas por aqueles que não querem o bem do povo. Definitivamente isso não é democracia.

Para mim, se Jesus Cristo fosse eleito presidente do Brasil, nossos deputados e senadores dariam um jeito de fazê-lo corrupto. E com certeza conseguiriam ou decretariam impeachment para não crucifica-lo de novo pelos seguintes motivos: 1) Jesus teria que se filiar a um partido e ser fiel as suas tendências; 2) Caso seu partido optasse por seguir seus ensinamentos e fazer o bem ficaria isolado e esvaziado pois os partidos do mal não apoiariam nenhum projeto e os poucos filiados debandariam para outros partidos mais populares; 3) Para tentar governar Jesus teria que fazer alianças abrindo mão de um mandamento aqui, uma parábola ali e satã (entenda-se como satã o conjunto de partidos representados no congresso nacional) ficando cada vez mais feliz. Tem jeito? Tem sim mas nosso povo desacostumado a um exercício mental mais profundo prefere bailar ao ritmo dos fatos enlatados pela competente mídia que consciente ou de forma subliminar manipulam em nossas mentes.

Assim, devemos culpar o PT muito mais pelo fato de se deixar levar pela orgia governamental de onde nenhum partido é inocente e pela perda da visão de suas origens no ABC paulista. Antes tínhamos um grupo de visionários preocupados com os trabalhadores do Brasil e o tom dos discursos era empolgado e radical. Não se via empresários ou políticos de carteirinha que migram de partido em partido a procura daquele que está na moda para lhes garantir mais votos. O bom e velho PT não admitia contradição no discurso: ou era pão ou era pedra, era sim ou não. Sem negociação, gostasse quem gostasse. Era um certo charme marxista sem ser abertamente comunista, mas tinha tudo em comum com estes. Aquele tom radical de quem morre mas não faz conchavo com o inimigo para ganhar pequenas batalhas, abrindo mão da guerra, foi trocado pelo negociar e ceder para poder governar. E cedendo parcelas cada vez maiores de sua ideologia, foi perdendo em compromisso.

Nesse bordel que se transformou nosso congresso nacional, o fogo ideológico se apagou em meio a invasão de parasitas, oportunistas e a ganância de seus membros. Entre promessas de verbas, agiotagem, silêncio, omissão com a corrupção e negociação de cargos, o sistema de partidos que representam o povo foi prostituído e com ele a esperança de que possa existir salvação para o Brasil.


Alberto Coutinho

Além de marido apaixonado e pai coruja, sou ser indomável e pertinaz perseguidor da verdade que está no horizonte feito utopia. A cada aproximação conheço melhor o mundo, as pessoas e a mim mesmo, mas nunca a possuirei plenamente..
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/sociedade// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Alberto Coutinho