vitor dirami

A beleza vai além do que podemos olhar.

Victor Dirami

Titanic: 100 anos depois

O naufrágio mais famoso da história está prestes a completar 100 anos. Tanto tempo se passou e a polêmica e interesse pelo Titanic só faz aumentar ao longo dos anos. É hora de regressar ao transatlântico e relembrar os fatos, as lendas e os personagens da tragédia do maior navio do mundo.


Titanic12.jpg

10 de abril de 1912, milhares de pessoas se aglomeram no porto de Southampton, na Inglaterra, para dar adeus aos seus familiares ou amigos, ou apenas para ver partir o maior objeto móvel já construído pelo homem - o Titanic. Ninguém poderia imaginar que o maior transatlântico do mundo nunca mais voltaria daquela viagem inaugural, nem que as vidas daquelas 2.240 pessoas a bordo estariam marcadas para sempre após aquela trágica viagem que nunca teria fim. É hora de regressar ao velho Titanic.

Construído por três anos, de 1909 até ser finalizado em 1912, nos estaleiros da Harland and Wolff, em Belfast, Irlanda, o Titanic desde o começo foi concebido para ser o maior navio de passageiros até então construído e rivalizar com os poderosos navios Lusitânia e Mauritânia, da companhia rival Cunard Line. O Titanic e seus irmãos Olympic e Gigantic (depois Britannic, último a ser construído), pertenciam a classe Olympic da companhia White Star Line e estavam destinados a ser os maiores e mais luxuosos transatlânticos do mundo. O destino foi implacável com quase todos os três navios, além do naufrágio catastrófico do Titanic, seu irmão caçula e menor dos três, Britannic, também naufragou torpedeado por um submarino alemão durante a I Guerra Mundial. Apenas o Olympic não teve destino parecido ao dos irmãos, quase idêntico ao Titanic, mas um pouco menos gigantesco, subsistiu a todos os outros e se tornou um grande mito da história dos mares, tendo sito desativado apenas nos anos 30.

titanic-em-construcao.jpg

Os números do Titanic impressionam pela monumentalidade. Seu comprimento era de 269, 10 metros, sua largura de 28 m, com tonelagem bruta de 46.328 toneladas, e altura de 18 m da linha d'água até o deque de botes. O Titanic também estava dotado dos equipamentos mais modernos e poderosos propulsores da época. Havia 29 caldeiras alimentadas por 159 fornos de carvão a combustão, que tornavam possível a velocidade máxima de 23 nós (43 km/h), incrível para a época. Apenas três das quatro chaminés de 19 m de altura eram funcionais, a quarta era usada apenas para ventilação e foi adicionada para dar uma aparência mais impressionante ao navio. Numa época ainda bem distante da aviação comercial, o transatlântico podia transportar mais de 3.500 pessoas, entre passageiros e tripulação. De alguma forma, parecia totalmente crível que o divulgassem como inafundável.

Houveram muitos navios maiores e mais luxuosos depois do Titanic, mas ele ainda permanece no imaginário popular como um palácio flutuante; mas, de fato, na sua época superou todos com seu luxo, requinte e opulência soberbas. A seção da primeira classe podia desfrutar de piscina coberta, academia de ginástica, uma quadra de squash, banhos turcos, banhos elétricos e o Café Verandah. As salas comuns da primeira classe resplandeciam toda a suntuosidade do Titanic; a decoração sofisticada em estilo eclético incluía painéis de madeira adornados, móveis refinados, lustres de cristal, pisos caros e muitos quadros e pinturas elegantes. As cabines chamavam atenção pelo conforto e decoração esplendorosa. A famosíssima grande escadaria da primeira classe reluzia iluminada por uma abóbada de cristal e ferro. A segunda classe também dispunha de biblioteca, salão de beleza e Fumoir, igual a primeira classe. O Café Parisien oferecia alta gastronomia num ambiente extremamente chique aos passageiros da primeira classe, e não haveria semelhante no Olympic até 1913. Até as instalações da terceira classe gozavam de uma boa infra-estrutura. O Titanic desfrutava dos mais modernos recursos tecnológicos da época, como elevadores elétricos e rádios Marconi, manejado por dois operadores que se revesavam em turnos e podiam transmitir constantemente as mensagens dos passageiros e manter contato com a terra, fato que permitiu a salvação dos sobreviventes durante o naufrágio do navio. Tudo isso, iluminado pela eletricidade que abrangia todo o navio e representava o signo do progresso no novo século. Em suma, era um navio moderno.

titanic (1).jpg

773px-GSC4.jpg

Entre os passageiros, principalmente na primeira classe, estavam figurões da alta sociedade inglesa e norte-americana; gente muito importante, entre nobres, industriais, artistas ou apenas socialites. Mas, a maioria esmagadora eram de gente pobre, imigrantes italianos, franceses ou ingleses, das mais variadas nacionalidades que buscavam iniciar uma nova vida na promissora América. Infelizmente, a maioria deles não sobreviveria ao naufrágio.

A viagem que durou apenas quatro dias, se sucedeu com fausto para os ricos, como deveria ser, e promissora e feliz para aqueles que carregavam a esperança de um futuro melhor no outro lado do Atlântico. Após a partida em Southampton, o Titanic fez duas paradas para a entrada de mais passageiros em Cherbourg, França, e Queenstown (hoje Cobh), na Irlanda. Durante o dia, desenrolavam-se os encontros sociais da primeira classe em passeios pelo convés, excursões pelo navio, e almoços nos elegantes restaurantes. Pela noite, as senhoras estreavam suas vestimentas da última moda nos chiques jantares oferecidos pelo capitão Smith na primeira classe, e os senhores gastavam o tempo em reuniões formais no Fumoir. A estratificação das classes do navio era rigidamente seguida, os ambientes não eram comuns a todas as classes e havia até partes do convés para cada uma delas. Até o naufrágio do Titanic, a separação de classes era então aceitável, mas viria a ser um dos principais fatores para a perda de tantas vidas, principalmente as da terceira classe, a mais numerosa e menos assistida durante o naufrágio.

18_titanic.jpg

6225707393_c1094ea4f9_z.jpg

Todos conhecem os fatos que levaram ao naufrágio do Titanic na noite do dia 14 de abril de 1912. A colisão com o Iceberg às 23:40 da noite, os primeiros sinais de socorro em CQD e logo depois SOS que entraram para a história, e os botes que começaram a descer às 00:31, dando início ao pânico e terror que permeou as últimas horas e minutos de vida do navio e de seus passageiros, o que pode ser chamado de corrida pela sobrevivência. Às 2:05 foi arriado o último bote salva-vidas: o desmontável D com 44 pessoas a bordo (para se ter ideia, os bote salva-vidas do Titanic tinham capacidade para 65 pessoas, embora alguns tenham sido lançados ao mar com menos da metade da capacidade total de passageiros, como foi o caso do bote nº 1, baixado com apenas 12 pessoas abordo). Ainda assim, no navio haviam centenas de pessoas lutando por suas vidas. Às 2:10 foi enviado o último sinal de rádio pelos telegrafistas. Às 2:18 as luzes do navio piscaram pela última vez e se apagaram para sempre. Às 2:20 o Titanic mergulha pelas profundezas do oceano, arrastando consigo centenas de almas, cujos últimos momentos são tenebrosos demais para sequer imaginarmos.

Agora, milhares de vidas estavam lançadas ao mar para a morte. O silêncio que antes imperava, dava lugar aos gritos de pânico e socorro. Em pouco tempo, praticamente todos morreram de hipotermia, nas águas congelantes do Atlântico Norte. Enquanto isso, os passageiros dentro dos botes assistiam passivamente aos momentos de terror profundo. Dentre vinte botes salva-vidas, apenas dois regressaram em busca de possíveis sobreviventes, o nº 4, e o nº 14; apenas dois. Contudo, naquele momento quase todos já haviam morrido. Não mais que dez pessoas foram resgatadas com vida da água; dez, dentre mais de 1.500 pessoas. Como disse a personagem Rose, interpretada pela atriz Gloria Stuart, em determinado momento do filme Titanic de James Cameron - "E para aquelas 706 pessoas nos botes salva-vidas, só restava esperar. Esperar pela morte ou por uma absolvição que jamais viria."

Às 4:10 da manhã de 15 de abril de 1912, o navio Carpathia chegou ao local do naufrágio para resgatar os sobreviventes do Titanic. Ele era o navio mais próximo no momento da colisão com o iceberg, e apesar de ter vindo em velocidade máxima ao seu encontro, só conseguiu chegar duas horas após o naufrágio. O Carpathia rumou com os 706 sobreviventes para Nova York, onde chegou em 17 de abril de 1912. O número de mortos ainda é questionado, numa quantia que varia entre 1.500 almas.

the-dining-room-of-the-rms-titanic-everett.jpg

b9915f49e7.jpg

Apesar das condições catastróficas do naufrágio do Titanic, a maioria dos fatos e lendas que subsistem até hoje, comprovam que a maioria dos passageiros manteve a decência e compostura. Seja entre os passageiros ou a tripulação, há histórias que nos asseguram da bondade e solidariedade de alguns em prol de muitos. Os dois operadores do telégrafo, Harold Bride e Jack Philips enviaram sinais de rádio até quando puderam, na esperança de um resgate rápido, um deles não sobreviveu. Os músicos da orquestra tocaram fielmente até o momento do naufrágio, todos morreram. O Capitão Smith e o arquiteto naval do Titanic, Thomas Andrews, mantiveram a honra e afundaram junto com o navio. Margareth Brown entrou para a história como A inafundável Molly Brown, ela era uma dama da alta sociedade norte-americana e passageira da primeira classe, que durante o naufrágio ajudou muitos outros passageiros a embarcar em botes salva-vidas antes de ser convencida a embarcar no bote de nº 6; após o naufrágio, quando milhares de pessoas estavam jogadas à própria sorte no mar gélido, ela também protestou sozinha, contra a vontade de todos, para que o bote voltasse ao local dos destroços para tentar salvar mais vidas, tournou-se uma heroína. Outros ficariam marcados para sempre, como Sir Bruce Ismay; o presidente da White Star Line sobreviveu ao naufrágio garantindo seu lugar num dos últimos botes salva-vidas baixados. Visto como frio e egoísta pela sociedade da época, caiu em ruína.

verandah_1.jpg

1_fumoi9.jpg

Na manhã seguinte a do naufrágio, os primitivos jornais e agências de notícias já davam destaque à catástrofe do Titanic. Mas, curiosamente, a maioria embarcou numa onda de positivismo que afirmava que ninguém teria morrido no naufrágio, ou até mesmo que o Titanic seria rebocado e cumpriria viagem até Nova York. Muitas pessoas, crendo nas parcas notícias dos meios de comunicação da época, esperaram piamente o Titanic no porto de Nova York, na data marcada para a sua chegada; gente que esperava parentes e amigos, mas só encontraram os poucos sobreviventes trazidos pelo Carpathia. O choque do naufrágio ainda não havia sido despertado.

titanic_newspaper_lg.jpg

O Titanic foi um símbolo da Belle Époque e da modernidade do novíssimo século XX. Numa época em que o futuro parecia haver finalmente chegado e as invenções tecnológicas ditavam o ritmo de uma nova era traduzida pelo estilo Art Noveau. A eletricidade, o telégrafo sem fio, o cinema, a bicicleta, o automóvel e o avião inspiravam o surgimento de um novo mundo, em que a realidade era outra e o passado romântico do século XIX havia enfim ficado para trás. O Titanic inserido neste contexto, representava os avanços da ciência e o poder do homem que acabara criando o maior objeto móvel até então construído. Essa força, poder e segurança do homem eram afirmados no Titanic - que se dizia inafundável - e também acabaram caindo por terra quando o navio naufrafou. A partir daí se perguntaram se essa segurança era tão real, e se esse poder era tão verdadeiro como parecia ser. Talvez, o Titanic tenha representado uma ruptora ideológica antes mesmo da que viria com a I Guerra Mundial, que pôs fim aquela sociedade que por pouco tempo pareceu perfeita.

inside_titanic_01.jpg

100 anos depois ele ressurge das profundezas, aonde está sepultado a 4.000 metros de profundidade. Com o naufrágio prestes a completar seu centenário, a inauguração de um museu em Belfast, e o relançamento em 3D do histórico filme de 1997, a lenda dos mares volta a ser posta em questão. Mesmo após tantos anos, especialistas e pesquisadores investigam alguns dos mais de 5.000 objetos recuperados do navio, desde sua redescoberta em 1985. Outros põem em questão o naufrágio, seus destroços e vão ainda mais a fundo: mapeando cada minuto da tragédia e os destroços do navio fantasmagórico no fundo do mar. Levando em consideração as condições horrorosas a que foi submetido em seu naufrágio, alguns ambientes ainda demonstram um ótimo estado de conservação. Talvez, por pouco tempo, é certo que um dia tudo desaparecerá, mas a lenda, esta, ficará para sempre gravada na história da humanidade.

794px-Gym.jpg

06_titanic_cafe_parisien.jpg

titanic-antes2.jpg

image25.jpg


version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Victor Dirami