vitor dirami

A beleza vai além do que podemos olhar.

Victor Dirami

A elegância e o charme da fotografia de Horst. P. Horst

Um dos mais influentes profissionais da fotografia de moda e retrato do século XX, Horst. P. Horst teve vida longa, assim como a sua carreira e o seu legado, inestimáveis. Conheça agora a trajetória deste lendário fotógrafo.


1939-august-horst-p-horst-vogue-cover.jpg
Muriel Maxwell para a revista Vogue, 1939.

Nascido em Weißenfels-an-der-Saale, Alemanha, no dia 14 de agosto de 1906, Horst Paul Albert Bohrmann era o segundo filho de um próspero comerciante protestante de classe média - Max Bohrmann e sua esposa, Klara Schoenbrodt.

Na juventude, estudou no Kunstgewerbeschule (uma espécie de Liceu de Artes e Ofícios), em Hamburgo. Posteriormente, ele se transferiu para Paris, onde estudou arquitetura com o modernista Le Corbusier.

Em Paris, Horst se tornou amigo dos grandes expoentes da vanguarda cultural daquela época. Em 1930, ele conheceu o Barão George Hoyningen-Huene, um nobre báltico nascido em São Petersburgo e fotógrafo da revista Vogue, que se tornaria o seu mentor intelectual e amante.

tumblr_mqsiqnF90L1qjamt1o1_500.jpg
Natureza morta, Oyster Bay, Long Island, 1950.

A parceria de Horst com a Vogue começou em 1931, com a publicação da primeira foto de sua autoria na edição francesa da revista, de novembro daquele ano. Era um anúncio de página inteira mostrando uma modelo vestindo veludo preto e segurando uma garrafa do perfume Klytia com uma mão, e com a outra outra levemente acima dela.

tumblr_mq8imtpm9T1rc0soco1_500.jpg
Loretta Young, Nova York, 1941.

O real avanço de Horst como fotógrafo de moda e retratos começou em 1932, nas páginas da Vogue britânica, especificamente na edição de 30 de março de 1932, que trazia três páginas de moda assinadas por ele e um retrato de página inteira da filha de Sir James Dunn, patrono e mecenas do Surrealismo. Sua primeira exposição foi em Paris, em 1932, quando recebeu uma crítica favorável, publicada na revista The New Yorker, Horst finalmente adquiriu fama internacional. No mesmo ano, ele fotografou a atriz Bette Davis, pela primeira vez; Bette seria a primeira, das diversas celebridades que Horst fotografou ao longo de sua carreira. Em apenas dois anos, ele fotografou artistas, nobres e socialites do porte de Noël Coward, Yvonne Printemps, Lisa Fonssagrives, Conde Luchino Visconti di Madrone, Duque Fulco di Ventura, Barão Nicolas de Gunzburg, Princesa Natalia Pavlovna Paley, Daisy Fellowes, Princesa Marina da Grécia e Dinamarca, Cole Porter, Elsa Schiaparelli, e outros.

tumblr_mo4ut8t6lD1snvncbo1_500.jpg
Ginger Rogers, 1936.

tumblr_mq5fcgZloo1qcavhvo1_500.png
Marlene Dietrich vestindo Christian Dior, para a Vogue americana, dezembro de 1947.

tumblr_mqtp52BWOB1rhqtkvo1_500.jpg
Coco Chanel, 1937.

Em 1937, Horst alugou um apartamento em Nova York e certa vez encontrou Choco Chanel enquanto residia na cidade. Ele a chamava de "a rainha de todas as coisas", e seria o fotógrafo das coleções da estilista francesa pelas três décadas seguintes.

Ele conheceu o diplomata britânico Valentine Lawford em 1938, juntos, eles adotaram e criaram um menino, chamado Richard J. Rogers. O casamento durou até a morte de Lawford, em 1991.

O fim dos anos 30 e o começo dos 40 seriam o período de maior produção artística da carreira de Horst. Em 1941, ele requiriu a cidadania americana, no ano seguinte, passou no exame físico do exército e um ano depois ingressou na armada, em 2 de julho de 1943; em outubro do mesmo ano se tornou oficialmente cidadão americano, como Horst P. Horst, e de quebra, fotógrafo dos quadros do exército. Em 1945 ele fotografou o presidente Harry Truman, com quem estabeleceria uma amizade. Horst fotografou todas as primeiras-dramas americanas no período pós-guerra.

tumblr_mp3thkrRif1r7kroko1_500.jpg
Carmen Dell'Orefice para a Vogue americana, 1946.

tumblr_mqfnvsfpYM1spbp9ko1_500.jpg
Horst P. Horst, 1943.

039e9551e1a31444f9e853374a45cd07.jpg
Horst P. Horst, 1943.

No começo dos anos 50, Horst iniciou sua famosa série de fotografias de design de interiores e estilo de vida. Ele prosseguiu com essa série na próxima década, encorajado principalmente por Diana Vreeland - chamada de 'Imperatriz da Moda', ela foi editora chefe da Vogue americana por dez anos, de 1961 até 1971; Vreeland influenciou Horst a fotografar o lifestyle do jet-set internacional, incluindo gente como: Consuelo Vanderbilt, Marella Agnelli, Gloria Guinness, Baronesa Pauline de Rothschild e Barão Philippe de Rothschild, Helen da Grécia e Dinamarca, Baronesa Geoffroy de Waldner, Princesa Tatiana de Sayn-Wittgenstein-Berleburg, Lee Radziwill, Duque e Duquesa de Windsor, Peregrine Eliot, Antenor Patiño, Oscar de la Renta e Françoise de Langlade, Desmond Guinness e Princesa Henriette Marie-Gabrielle von Urach, Andy Warhol, Nancy Lancaster, Yves Saint Laurent, Veruschka von Lehndorff, Doris Duke, Emilio Pucci, Cy Twombly, Jacqueline Kennedy Onassis, Amanda Burden, Paloma Picasso e Condessa Jacqueline de Ribes. A série de interiores e decoração continuou até os anos 80, em ambas revistas Vogue e House & Garden, tendo sido publicada em livro por Barbara Plumb, em Horst: Interiors (1983).

tumblr_mo1am1DbhH1qbqy6wo1_500.jpg
O Salão Verde de Pauline de Rothschild, Vogue, 1969.

tumblr_mpvkvc5MBG1qzdzbuo1_500.jpg
Vogue, dezembro de 1955.

Paralelamente, Horst continuou fazendo retratos e fotografias de moda, registrando as tendências de uma década fulminante para as artes. Desde essa época até morrer, ele passou a maior parte do seu tempo viajando e fotografando ao redor do mundo.

tumblr_mo5m5xAC5B1qzdzbuo1_500.jpg
Lillian Marcuson, Nova York, 1950.

4949797557_acc2c470a1_b.jpg
Veruschka von Lehndorff para a Vogue britânica, 1965.

Os anos 70 foram ruins para Horst P. Horst, seu estilo de fotografia clássico e atemporal foi posto em desvantagem perante o estilo psicodélico e experimental daquela década, o que acarretou uma queda considerável da procura pelo seu trabalho. Felizmente, a redescoberta de Horst por um grupo de entusiastas do estilo na década de 80, resultou num aumento da demanda do trabalho do fotógrafo.

tumblr_mo6xlrEtXw1r1p7nfo1_500.jpg
Diana Vreeland, 1979.

tumblr_mqeheyBBAR1rel5fno1_500.jpg
Round the clock I, 1987.

yw1012.jpg
Yves Saint Laurent num jardim, 1986.

Em 1980, Horst foi contratado para tirar nove fotos, lançadas em fevereiro daquele ano; este trabalho apareceu na edição mais popular da revista Life naquele ano, vendendo 1,5 milhão de cópias. O sucesso lhe garantiu um contrato para um livro, um precioso trabalho desenvolvido com o editor James Watters, que resultou na publicação do best-seller Return Engagement: Faces to Remember Then & Now (1984) - livro em homenagem às primeiras estrelas de Hollywood, escrito por Watters, com fotos de Horst.

yw132.jpg
Katharine Hepburn, 1982.

yw273.jpg
Bette Davis, séries.

A última fotografia de Horst para a Vogue britânica foi em 1991, com Marie Christine, Princesa Michael de Kent, apresentada contra um fundo de tapeçaria, vestindo uma tiara que pertenceu a sua sogra, a Princesa Marina, que Horst havia fotografado em 1934.

O fotógrafo morreu aos 93 anos de idade, em Palm Beach Gardens, na Flórida.

Seu trabalho é mais famoso pelas fotografias de moda e retratos, mas Horst também é reconhecido por suas fotos de design de interiores e natureza morta. A luz era um dos pontos principais do seu trabalho, ele preparava as luzes e os adereços cuidadosamente antes das sessões de fotos, que eram concebidas com antecedência. A iluminação era essencial para definir o que Horst transmitiria na imagem. Ele costumava ser direto e passar poucas instruções às modelos. O grosso de sua obra é em preto e branco, mas até suas fotografias de cores apresentam uma configuração absolutamente monocromática.

A fotografia de Horst é em sua essência clássica e elegante, misteriosa e atraente, sua obra é uma ode à beleza; até suas séries de nudez, em que o fotógrafo brincava com a luz, tinham um ideal clássico, sem perder o erotismo. O erotismo é um signo marcante do trabalho de Horst; uma das imagens mais icônicas do século XX é "O corset Mainbocher", fotografada por Horst no estúdio da Vogue, em Paris, em 1939, trata-se de uma modelo de cabeça abaixada, vista por trás, vestindo um espartilho Mainbocher parcialmente laçado. Dotada de uma sensualidade enigmática, esta imagem é a mais famosa e copiada de Horst; tendo sido recriada até pela diva pop Madonna, no videoclipe da música "Vogue", de 1990.

tumblr_mr2zn036mZ1sy077no1_500.jpg
"O corset Mainbocher, Vogue, 15 de setembro de 1939.

tumblr_mq7bidVdR91qaqj6so1_500.png
Lisa em seda I, Nova York, 1940.

yw487.jpg
Lisa em seda, mão no torso, 1940.

yw688.jpg
Nu masculino, pernas cruzadas com braço, 1952.


version 5/s/fotografia// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor, @erotic //Victor Dirami