vitrola cultural

Um pouco sobre arte, design, literatura e passado

Jannine Dias

Designer gráfico obcecada por detalhes, devoradora de livros, tiete de objetos antigos, cinéfila de terror e apaixonada por qualquer indício de passado regado à chá e chocolate.

O oceano no fim de cada infância

"Nada nunca é igual. Seja um segundo mais tarde ou cem anos depois. Tudo está sempre se agitando e se revolvendo. E as pessoas mudam tanto quanto os oceanos."


oceano-no-fim-do-caminho-resenha1.jpg

Ler o oceano no fim do caminho é mergulhar nas dores e felicidades da infância. É recordar-se de quem era e de quem gostaria de ser. De sua coragem infantil camuflada de medo, que só foi notada como realmente era em sua vida adulta.

O oceano no fim do caminho é aquele lago, que você brincava nas férias. A família hempstock aquela que você admirava e participava como coadjuvante, presente timidamente em sua felicidade. Lettie sua melhor amiga que aconteceu tão inesperadamente. O menino não nomeado com pais e irmã também sem nome, podem ser você e sua família, complexa, amorosa. O universo é o de seus sonhos mergulhados em livros. E os sentimentos os que você espera, mesmo na vida adulta, ver prevalecer entre os humanos, a coragem de assumir e enfrentar seus medos e o dom da empatia. O extremo da capacidade de amar, de cuidar, de se importar. A personificação de nossos receios, limitações e de nossos talentos.

E, claro, o esquecimento involuntário da idade. Porque a infância sempre será assim. Como o próprio livro diz, duas pessoas nunca se lembrarão de um acontecimento da mesma forma, mesmo tendo sido testemunhas, juntas. O tempo varre muitas lembranças, mas as sensações vívidas permanecem onde a memória falha.

O oceano no fim do caminho é um sonho. Um sonho nostálgico de um passado que podemos recordar com e sem esforço, com uma pitada de magia e doçura. O oceano no fim do caminho é o oceano presente no fim de nossa infância. O início do mergulho na vida adulta.


Jannine Dias

Designer gráfico obcecada por detalhes, devoradora de livros, tiete de objetos antigos, cinéfila de terror e apaixonada por qualquer indício de passado regado à chá e chocolate..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Jannine Dias
Site Meter