Pirandello e o conceito das múltiplas verdades

Em peça teatral, autor questiona se a verdade pode ser real e absoluta


Luigi Pirandello.jpg

A verdade, busca contínua do homem, parece ainda inalcançável. Os pontos de vistas se divergem e descobertas deixam de ser atuais mais rápido do que um cigarro chega ao fim. Descartes foi feliz ao dizer que “só sei que nada sei”. O significado da frase é tão amplo quanto os nossos sonhos.

Tão brilhante quanto o filósofo foi o escritor Luigi Pirandello, autor da célebre peça Seis Personagens à Procura de um Autor, e um defensor do pensamento de que a verdade é relativa.

Seu trabalho mais abrangente sobre o assunto foi a peça Assim é, se lhe parece, na qual a personagem Frola é uma mulher reclusa. Ela justifica isso por afirmar que cuida de sua filha. Seu genro, no entanto, diz que a sogra enlouqueceu depois que a filha morreu.

Provocando uma reviravolta, Frola afirma que, na verdade, foi o genro que enlouqueceu, e passou a acreditar que a esposa está morta. Ainda há na peça um personagem que defende que a verdade não existe. Ao menos não como absoluta. Existe uma série de verdades, que dependem de pontos de vista para existirem. Elas simplesmente são, se assim lhe parecem.

Pirandello aponta que às vezes não há o certo e o errado; o verdadeiro e o falso; um caminho ou outro. Às vezes duas coisas absurdamente contraditórias podem coexistir e talvez até sem um meio termo.

O autor não foi o primeiro nem o último a debater amplamente o conceito de verdade, porém o seu questionamento provocou muitas reflexões, inclusive no campo da Psicologia, já que o profissional desta área deve compreender o que é a verdade para o seu paciente.

Luigi Pirandello já entendia que cada um possui os seus princípios, conceitos, história, sofrimentos e sonhos. Tudo isso é capaz de construir uma verdade e dá a sensação de que para que ela seja real, outras verdades precisam ser destruídas. Erro comum. Tudo pode ser, se assim lhe parecer.


version 3/s/literatura// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Bruno Inácio