Você precisa saber de mim

Breve ensaio sobre as semelhanças que podem nunca se encontrar


amelie-4.jpg

Caetano Veloso parece sempre saber o que dizer. A frase do título, inclusive, é dele. Aparece na canção Baby, que foi imortalizada na voz de Gal Costa. Tomei-a emprestada, como um aforismo, para dar título a este texto porque o mundo está repleto de pessoas que precisam saber de outras pessoas. Mas por ironia da vida, talvez nunca saibam.

Nos filmes, mais cedo ou mais tarde, elas se encontram. Mas a vida nem sempre imita a arte. Às vezes, ela promove uma série de desencontros que chegaria a ser cômica, se não fosse trágica. É claro que é possível ser feliz cercado de pessoas diferentes de você, afinal, talvez aquilo de “os opostos se atraem” seja real para alguns. Mas não para mim, e talvez não para você.

É claro que alguém exatamente igual a você não é o ideal, mas algumas semelhanças fazem muito bem para um relacionamento, seja ele de qualquer tipo. Em algum lugar, existe alguém que possui ideologias parecidas, as mesmas manias e os mesmos gostos.

Não se trata de uma mera idealização ou daquele papo de alma gêmea. Essa pessoa, naturalmente, também vai possuir diversos defeitos e alguns deles podem ser muito irritantes. Mas a perfeição é um conceito ilusório, e as semelhanças são muito mais importantes que as diferenças.

Em meio a essa multidão, há alguém que adora os filmes clássicos, as palhaçadas do Chaplin, os solos do Gilmour, as palavras de Poe, os jogos antigos do Mario e os sorrisos das velhinhas.

Alguém que não gosta de tomar sol, que odeia se atrasar e que definitivamente não vai se desfazer de suas coleções de objetos antigos, por mais que as pessoas digam que são só velharias acumuladoras de ácaros.

Lógico que de nada adiantam gostos parecidos se não estiverem acompanhados por boas ideologias. Mas por aí também existem as pessoas, que além de todas essas semelhanças, ainda compartilham das mesmas ideologias.

Acreditam que todos devem ter a liberdade para acreditar no que quiserem; que todos devem amar da forma que os fizerem felizes; que a vida alheia não deve ser o centro das atenções, e que com empatia é possível deixar de lado diversos preconceitos e julgamentos.

O problema é que nem sempre essas almas tão parecidas se encontram. É uma daquelas injustiças em que não se pode fazer nada. Uma pena...

500-dias-com-ela-cena.jpg


version 2/s/recortes// @obvious //Bruno Inácio