Os artistas malditos

A melancolia por trás de artistas como Edgar Allan Poe, Van Gogh, Syd Barrett e Tim Burton


Edgar Allan Poe.jpg

A arte sempre reuniu gente interessante: excêntricos, revolucionários, intelectuais, nerds e "loucos". Porém, poucos grupos são tão interessantes quanto o dos artistas melancólicos, formado por pessoas que manifestam, através de suas obras, todo o sentimento de solidão e agonia que têm.

As personalidades que se encaixam nessa descrição são inúmeras e falar sobre cada uma delas em um mesmo texto seria uma tarefa praticamente impossível. Por isso, já antecipo as minhas desculpas por deixar tantos gênios de fora dessa lista.

Literatura

O Romantismo, movimento literário que surgiu na Europa, traz claramente características melancólicas. Os poetas britânicos Lord Byron e John Keats são exemplos perfeitos disso. Trazem em seus poemas todo o pessimismo e a tristeza do mundo. Viviam deprimidos e expressavam isso em seus belos, mas perturbadores, poemas.

O norte-americano Edgar Allan Poe é outro exemplo. O escritor, considerado o pai do romance policial, teve uma vida trágica. Perdeu os pais, sua amada e morreu praticamente desconhecido, muito afetado pelos efeitos do alcoolismo. Suas obras são repletas de mortes, dor e sofrimento. Em muitas delas, fantasmas e outros seres que atormentam os protagonistas, na verdade não existem. São criações da mente dos personagens, que sofrem com o remorso ou a solidão.

Lord Byron.jpg

Pintura

Na pintura, poucas almas são tão atormentadas quanto a de Van Gogh. Por mais genial que o pintor tenha sido, o reconhecimento veio apenas depois de sua morte. O artista fracassou em muitas coisas que tentou, inclusive, constituir uma família. À beira da loucura, Van Gogh deu fim à sua própria vida, em 1890.

Van Gogh_2.jpg

Música

Na música os exemplos são muitos e abrangem praticamente todos os estilos. No rock, existem diversos exemplos, como Jim Morrison, Kurt Cobain, Syd Barrett e Renato Russo.

Morrison, líder do The Doors, sempre foi polêmico e triste. Suas letras, que mais pareciam poemas pela métrica e linguagem, demonstram isso com exatidão. Usuário de drogas, Morrison foi encontrado morto em sua banheira, aos 27 anos de idade.

A história de Kurt Cobain, vocalista e guitarrista do Nirvana, é bem parecida. Ele vivia deprimido e abusava das drogas. Quando conseguiu a fama, sua tristeza aumentou. Ficava frequentemente recluso e acabou se matando, em 1994, depois de deixar uma carta de despedida.

O guitarrista Syd Barrett, um dos fundadores do Pink Floyd, era um gênio à frente do seu tempo. Porém, deprimido e usuário constante de alucinógenos, especialmente o LSD, o músico acabou recluso. Passou vários anos isolado, pintando quadros. Em uma ocasião, já depois de ter saído da banda, Barrett apareceu no estúdio em que o Pink Floyd gravava o disco Wish You Were Here. Estava obeso, careca, com as sobrancelhas raspadas e, segundo os membros do próprio Pink Floyd, com o olhar perdido, mais parecido com uma TV fora do ar.

No Brasil, provavelmente, o maior exemplo é Renato Russo. As letras da Legião Urbana são, na maior parte, repletas de dor e tristeza. O músico sofria com depressão e tentou o suicídio algumas vezes. A Via Láctea, canção do álbum Tempestade, demonstra muito bem o que sentia Renato Russo, morto em 1996, em decorrência da aids.

Syd Barrett_2.jpg

Cinema

O cineasta Tim Burton é um exemplo bem contemporâneo daqueles que utilizam a melancolia através da arte. Muitos de seus filmes não têm o tradicional final feliz. Além disso, os personagens de suas animações – que normalmente têm crianças como público-alvo – são bem aterrorizantes. Burton geralmente constrói histórias em que o protagonista não se encaixa na sociedade. Um sentimento que ele tem desde que era criança, quando teve sérios problemas emocionais.

Tim Burton.jpg


version 2/s/artes e ideias// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Bruno Inácio