zoom nas vísceras

O olhar sobe como um estranho balão para o infinito

João da Rocha

Apenas um homem inadequado

O RETROFUTURISMO SCI-FI de Jakub Rozalski

“Resumindo, o ato criador não é executado pelo artista sozinho; o público estabelece o contato entre a obra de arte e o mundo exterior, decifrando e interpretando suas qualidades intrínsecas e, desta forma, acrescenta sua contribuição ao ato criador. Isto se torna ainda mais óbvio quando a posteridade dá o seu veredicto final e, às vezes, reabilita artistas esquecidos.”

DUCHAMP


JakubRozalski.jpg

Os polacos tiveram paz até meados do século XVIII, até serem complemente destroçados em três outros territórios. Sua independência só foi restaurada no século XX - com a primeira guerra mundial e o advento do chamado "Segunda República Polaca" - Não obstante, novamente sua soberania foi estremecida - entre 1918 e 1921 - com o avanço das tropas soviéticas obcecadas pela anexação e implantação dos ideais totalitários sob uma bandeira comunista.

jakub-rozalski-1920-farewell-110x70small.jpg

jakub-ralski-project-1920-robots-poland-876-995-1418294616.jpg

Os poloneses não apenas venceram a guerra ou a intitulada “Batalha de Varsóvia” - quando infligiram uma histórica derrota ao exército vermelho - derrota está considerada por muitos historiadores, fundamental para salvar a Europa de uma nova tentativa de unificação imperialista. Outras tentativas viriam ainda na próxima guerra.

Todo este pano de fundo febril e de cicatrizes irreparáveis serviu – como um bálsamo de amargos latejamentos – para o artista digital polaco Jakub Rozalski – mergulhar seus softwares e suas elucidações oníricas pelos meandros da história de seu país e suas próprias referências universais. As atmosferas gélidas de Rozalski remetem ao universo futurísticos de filmes como Star Wars mas também à pinturas clássicas naturalistas de pintores como William Baker.

711.jpg

jakub-rozalski-1920-kosciuszko-01-small.jpg

O artista digital polaco uniu estes elementos e suas impressões nostálgicas com doses de ficção mágica. Inserindo em cenários habituais rurais elementos improváveis que com precisão nos tomam – como se líquidos fôssemos – para dentro das goelas do passado e do futuro em suas indisfarçáveis entranhas ocultas.

robotmist.jpg

jakub-rozalski-1920-most1-small.jpg

Jakub Rozalski nasceu em 1981, na Cracóvia, mas fixou residência na Alemanha. Formou-se na Academy of Fine Arts in Poznan e atualmente vive em Hamburgo. Resolveu se dedicar às ilustrações e objetos de futuridades inóspitas e cenários peculiares de sua infância. Jedis perdidos entre as montanhas de gelo. Ursos soldados e Robôs gigantes entre as neblinas e as folhas das árvores. Personagens indefesos em gestos e vidas - que versam pela paz do campo e das montanhas - amedrontados por invasores surreais, mas um surrealismo bélico, medonho.

tumblr_nmepjdhYon1t2t2gmo1_1280.jpg

Jakub Rozalski também faz referência ao pintor polonês Juliusz Kossak em algumas entrevistas. Kossak foi celebrado por suas aquarelas realistas em que retratavam batalhas e tinham como personagens cavalos e paisagens empoeiradas pelas guerras. Juliusz também foi ilustrador e fincou seu nome como um dos maiores artistas do final do século XIX.

jakub-rozalski-w2-01-recovered.jpg

Também citado como núcleo inspirador de Rozalski, o pintor Józef Chełmoński trazia o realismo para suas telas em ambientes de neve e certo patriotismo de cores intrínsecas e nostálgicas. Um grande artista também do século 19. hełmoński é apontado – por alguns estudiosos – como o motor do simbolismo polonês.

c4577b6ce29694499858766cf4dc3427.jpg

ma5rsjwhite.jpg

Jakub Rozalski é apontado como um dos maiores artistas digitais contemporâneos. Seu projeto mais audacioso foi chamado de 1920+. Trabalho este emergindo seu nome como um expoente de novas abordagens para a arte digital. Trazendo para dentro das telas sintéticas às batalhas de Varsóvia e a guerra entre poloneses e soviéticos. O trabalho foi tão bem recebido que foi transformado em um jogo de tabuleiro idealizado pelo designer Jamey Stegmaier, chamado de Scythe.

peter_cover_final_artstation.jpg

Penetrar - com o olhar - na arte pulquérrima de Jakub é vasculhar suas memórias sendo condensadas. Seu delírio patriótico, sua abordagem histórica e sua ficção científica sobre as neves de sua infância. O improvável percurso que nos leva a sua criação garante a pureza arrebatadora de sua visão do passado com elementos simbólicos, intrigantes, saídas de algum anime mágico, algum protocolo cyborg em um computador empoeirado cheio de teias em algum vilarejo esquecido. Uma poesia que nos causa hodiernas e sinestésicas reverberações sobre a história.

scythe1.jpg

Seguindo a tradição digital da húngara Vera Molnar - uma das pioneiras desta linguagem artísticas na Europa - ou Manfred Mohr, artista digital Alemão residente em NY que trabalha o que alguns chamam de “arte algorítmica” ou Charles Csuri, um dos primeiros artistas digitais estadunidenses.

medic500.jpg

Jakub Rozalski subverte a lógica do espaço, ao criar um universo muito particular, seu e atemporal. Seu e da arte, esta que vive num lugar entre o tempo e o espaço e reverdece ao encontro de nós.


João da Rocha

Apenas um homem inadequado.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/artes e ideias// @destaque, @hplounge, @hp, @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //João da Rocha
Site Meter