zoom nas vísceras

O olhar sobe como um estranho balão para o infinito

João da Rocha

Apenas um homem inadequado

DESTRÂNSITO

A união de intermináveis vazios assola minha alma. Fragilidade que percorre as artérias e sai pela boca consumida. Detritos que rasgam a pança de um confim que cansou de ser imaginário. Ah! Como é infindável esse deserto. Era como se eu percorresse todas as almas solitárias dos poetas com pés sepultados na minha própria sombra e descesse pelas paredes - antes de vidro - dos sonhos envidraçados. A fumaça dos carros no caminho para o trabalho me alucina e me perco na contramão de mim - lambendo o infinito - com uma língua cheia de espinhos translúcidos.


bill-brandt-16-1014x487.jpg

Lá estava ele. Intacto em sua espera. Mais de meio século de idade e uma impossibilidade inconfessável; atravessar para o outro lado da avenida. Impossível tamanha significância para alguns, grande dilema atemporal para o velho Duparc. Debilitado e fugitivo. Era este senhor naquela manhã descolorada pelos rodapés da escaldante trafegação cotidiana. Carros-jatos impessoais. Homens ostentando pequenos prazeres pelos retrovisores. Olhares impenetráveis adentrando os esgotos abertos periféricos.

Duparc era apenas um vulto turvo nas bordas da manhã. Sua quase centenária sabedoria não lhe possibilitava nada além de fazer calejar os corações metálicos da juventude moderna. Sonhava – que em algum momento – alguma alma menos moribunda pela pressa, parasse e o deixasse atravessar para o outro lado do grande globo poluído. Ali ficou por horas – dizem que foram semanas, talvez meses...

BIll-Brandt_01.jpg

Estava sendo procurado pelos netos impertinentes e filhos ferozes sem tempo para diálogos mais saudosos. Duparc abrira as fechaduras ainda no início da manhã para correr ao encontro da aurora. Queria apenas atravessar para conversar com Gossec. Esta, já o esperava à margem de um café sedutoramente inacreditável.

Estava pronto. Depois de tantos feitos nesta vida. Idas e vindas pelos vulcões do tempo. Realizações eminentes e condecorações nas empresas exteriores. Depois de conhecer outras galáxias e viajar pelos mundos indefinidos, o velho Duparc, estava pronto para a perigosa travessia na avenida interminável. Só precisava esperar o fluxo de carros diminuírem e conseguir mexer as penas já bambas e inchadas. Solados que soltavam de roxo e joelhos pálidos. O sol como uma parede que se deitava – sobre seu rosto – como toneladas. Quem deveria dar passagem para este grisalho desnudo dos anos anteriores?

tumblr_l4eo8jGubl1qzhl9eo1_1280.jpg

Velho Duparc, um homem na contramão dos litorais de um imperceptível declínio.

---

Fotografias | Bill Brandt (Alemanha)


João da Rocha

Apenas um homem inadequado.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/literatura// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //João da Rocha